MPF investiga entidade de vereadora do PCdoB

Inquérito vai apurar supostos atos de improbidade administrativa em convênio entre a ONG Bola Pra Frente, de Jaguariúna, e o Ministério do Esporte

Tatiana Fávaro / CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2011 | 22h40

A Procuradoria da República em Campinas abriu ontem inquérito civil público para apurar supostos atos de improbidade administrativa na execução de convênio do programa Segundo Tempo, firmado entre a ONG Bola Pra Frente (hoje Pra Frente Brasil), de Jaguariúna, e o Ministério do Esporte.

 

A apuração estava sob responsabilidade do Ministério Público Estadual, mas como o caso se refere ao uso de recursos federais, a atribuição passou a ser do MPF. A representação aponta a possibilidade de irregularidades em convênio para instalação de 180 núcleos de esporte educacional no Estado, a fim de atender 18 mil crianças e adolescentes.

 

Segundo o MPF, a apuração indica a possibilidade de direcionamento das licitações, com objetivo de beneficiar empresas cujos titulares manteriam ou mantiveram ligações de trabalho ou parentesco com a então presidente da instituição, a hoje vereadora Karina Rodrigues, eleita pelo PC do B do ministro Orlando Silva.

 

Em fevereiro, o Estado revelou que a ONG de Karina cobra “taxa de sucesso” dos prefeitos para levar o Segundo Tempo aos municípios. Hoje, Karina é gerente da ONG.

 

Na quarta-feira, a presidente da entidade, Rosa Malvina da Silva, disse em nota que “não há nenhum constrangimento da ONG Pra Frente Brasil em afirmar que firmou convênios com o Ministério do Esporte para o desenvolvimento do Programa Segundo Tempo”. Segundo Rosa, a entidade cumpriu todas as obrigações e as condições e exigências dos programas pactuados com o ministério.

 

A presidente disse ter seguido a Lei de Licitações e que as contas da ONG foram prestadas, devidamente, à Controladoria-Geral da União, ao Tribunal de Contas da União e a outros órgãos controladores.

 

O Estado não localizou Karina ontem. Em 2009, quando o site Contas Abertas informou que o Ministério do Esportes repassara, um ano antes, R$ 8,5 milhões à ONG – terceiro maior volume de recursos transferidos pela pasta para entidades privadas sem fins lucrativos – a vereadora alegou que o montante poderia ser explicado pelo fato de a entidade atender milhares de jovens em 15 municípios.

 

Karina disse, na ocasião, que o trabalho da Pra Frente Brasil era apartidário. “Fomos reconhecidos como exemplo de transparência na CPI das ONGs”, afirmou na época.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.