Gabriela Biló / Estadão
Gabriela Biló / Estadão

MPF investiga delegado da PF afastado de inquérito sobre Bolsonaro

Felipe Leal deixou as apurações sobre a suposta interferência política do presidente na Polícia Federal por ordem do ministro Alexandre de Moraes; delegado é alvo de apuração por possível improbidade administrativa

Luiz Vassallo, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2021 | 10h55

O Ministério Público Federal deu andamento às primeiras diligências para investigar por suposta improbidade administrativa o delegado da Polícia Federal Felipe Alcântara de Barros Leal, afastado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, do inquérito que investiga o presidente Jair Bolsonaro por interferência política na corporação. 

Leal foi excluído da condução do inquérito, em agosto, após pedir diligências que, segundo Moraes, não se relacionavam com o objeto original da investigação, aberta após a saída de Sergio Moro do governo Bolsonaro. A procuradora da República Melina Flores pediu acesso à íntegra do inquérito para comparar com as medidas tomadas pelo delegado e entender se eram, ou não, pertinentes à investigação. 

O requerimento foi endereçado ao ministro do Supremo. Ela também aguarda a cópia dos documentos produzidos por Leal. Segundo a procuradora, "os fatos narrados podem tratar de possível desvirtuamento da finalidade" do inquérito "e configurar atos de improbidade administrativa". 

Paralelamente, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, braço-direito do procurador-geral, Augusto Aras, pediu uma investigação à PF sobre possível abuso de autoridade do delegado. 

Ao afastar Leal, Moraes citou diligências que o delegado encaminhou e o ministro considerou inadequadas, como um pedido para que a PGR encaminhasse cópia de qualquer eventual procedimento instaurado para averiguar se a Agência Brasileira de Informações (Abin) e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) haviam buscado informações com o fim de orientar a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) no caso das rachadinhas. 

Leal também pediu acesso ao procedimento de exoneração do colega Alexandre Saraiva do comando da Superintendência da PF do Amazonas - o mesmo que denunciou o suposto envolvimento do ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles com o contrabando de madeira ilegal na região. Leal buscou, ainda, informações a respeito da não nomeação do delegado Franco Perazzoni para um cargo na cúpula da PF. 

Em esclarecimentos enviados ao ministro, o delegado afirmou que, no caso da Abin, o episódio, revelado pela revista Época, tinha conexão com a investigação sobre a suposta ação do presidente Bolsonaro para usar órgãos de investigação e blindar seus aliados. E, no caso de Saraiva e Perazzoni, que protagonizaram investigações que acabaram atingindo Ricardo Salles, o delegado afirmou que queria entender se o presidente não estaria blindando o ex-chefe do Meio Ambiente. De acordo com Leal, as diligências cabiam ao caso para solucionar “lacunas investigativas”. 

Ao Estadão, o delegado afirmou que recebe a notícia da investigação com “serenidade, convicto de ter atuado nos limites legais, como sempre”. “As diligências delineadas no inquérito possuem nexo com as linhas investigativas”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.