Divulgação
Divulgação

MPF do Rio denuncia 15 pessoas por corrupção e lavagem na construção de Angra 3

Entre os acusados estão ex-dirigentes da Eletronuclear e ex-executivos da Andrade Gutierrez e Engevix; eles são investigados pela Operação Pripyat da PF

Mônica Ciarelli, O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2016 | 09h19

RIO - O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro denunciou 15 pessoas envolvidas em um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na construção da Usina de Angra 3, investigado pela Operação Pripyat da Polícia Federal, deflagrada no início do mês. Entre os acusados estão os ex-dirigentes da Eletronuclear Luiz Antônio de Amorim Soares, Luiz Manuel Amaral Messias, José Eduardo Brayner Costa Mattos, Edno Negrini e Pérsio José Gomes Jordani, além de ex-executivos da Andrade Gutierrez e Engevix.

A Pripyat é um desdobramento da 16ª fase da Lava Jato, batizada de Radiotividade. Em 6 de julho, o MPF/RJ recolheu provas adicionais de crimes de organização criminosa, fraudes licitatórias, corrupção e lavagem de dinheiro. Na data, a Polícia Federal prendeu dez pessoas acusadas de desviar recursos da obra da Usina Nuclear Angra 3, investimento de R$ 17 bilhões no litoral sul do Estado.

Para os procuradores da República Lauro Coelho Junior, Leonardo Cardoso de Freitas, Eduardo Ribeiro Gomes El Hage, e o procurador regional da República José Augusto Simões Vagos, que assinam o pedido, “a presente denúncia apresenta o resultado da parcela mais significativa da investigação levada a cabo pelo Ministério Público Federal, cujo desfecho foi consumado na denominada Operação Pripyat.”

Com o aprofundamento das investigações, segundo a denúncia, foi descoberto que o núcleo administrativo do esquema não se limitava apenas ao ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz, mas também aos gestores Luiz Antônio de Amorim Soares, Luiz Manuel Amaral, Messias José Eduardo Brayner Costa Mattos, Edno Negrini e Pérsio José Gomes Jordani. Agora denunciados pelo MPF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.