MPF denuncia Garotinho por suporte político a esquema criminoso

O ex-governador do Rio deJaneiro Anthony Garotinho foi denunciado pelo MinistérioPúblico Federal por garantir politicamente uma organizaçãocriminosa que usou a estrutura da Polícia Civil do Estado paralavagem de dinheiro, facilitação de contrabando e corrupção. O esquema ilegal, que envolvia proteção a criminosos earrecadação de recursos ilícitos, seria operado pelo ex-chefeda Polícia Civil no governo de Rosinha Matheus e atual deputadoestadual pelo PMDB Álvaro Lins, que foi preso nestaquinta-feira pela Polícia Federal (PF), na Operação SegurançaPública S.A. Garotinho foi Secretário de Segurança Pública nogoverno de Rosinha de 2003 a 2004. "Detectamos a existência de uma quadrilha atuando no Rio,na área de segurança pública. Ela consistia de um núcleopolítico com influência do Estado, que nós consideramos o chefemaior, e o segundo maior era um chefe de muita importância emtermos políticos e operacionais, que tinha sob seu comandovários policiais", disse o superintendente da PF do Rio,delegado Valdinho Jacinto Caetano. De acordo com o Ministério Público Federal, Garotinhoexercia influência política no governo do Rio de Janeiro paradar respaldo às ações ilegais de Lins e seus subordinados. O ex-chefe da Polícia Civil é acusado de liderar um esquemade proteção a criminosos envolvidos na máfia dos caça-níqueis ejogos de azar, dos quais cobraria propina mensal que eradestinada a abastecer campanhas eleitorais e ao enriquecimentodos policiais. "O Ministério Público Federal está convicto de que umaorganização criminosa atuou durante mais de seis anos nogoverno do Estado do Rio, especificamente na Secretaria deSegurança Pública", disse o procurador regional da República,Maurício da Rocha. "Nesse período, um grande grupo de policiais civissentiu-se livre para intimidar diversos infratores emdetrimento da segurança pública. Em várias delegacias, osdenunciados faziam vista grossa a condutas ilegais em troca dealtas quantias", acrescentou. A PF cumpriu mandados de busca e apreensão nas casas doex-governador Anthony Garotinho, no Rio e em Campos. O delegadoValdinho Caetano afirmou que não poderia dar detalhes domaterial apreendido, porque o processo que envolve Garotinhoestaria sob "segredo de Justiça". O ex-governador responderápor formação de quadrilha armada, segundo o MPF. "A informação que temos é que os policiais federaischegaram até minha casa, à biblioteca da Rosinha (mulher deGarotinho e ex-governadora do Rio), e levaram absolutamentenada. Levaram o laptop da Rosinha, que não tem nada. É o laptopque ela usa para dar aula na escola bíblica dominical", disseGarotinho a uma rádio de Campos, assegurando que ele e suamulher estão tranquilos e que ele faz questão de serinvestigado. Garotinho iniciou sua carreira política em Campos, no nortefluminense, e chegou ao governo do Rio em 1998 por umacoligação de esquerda que incluía PDT, PT, PSB e PCdoB. Ele concorreu à Presidência da República, em 2002, peloPSB, e em 2003 se transferiu para o PMDB, onde permanece atéhoje.(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier, Texto de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.