MPF confirma bloqueio de duas contas do Opportunity

O Ministério Público Federal (MPF) confirmou que os US$ 46 milhões bloqueados ontem pelo Home Office britânico (o Ministério da Justiça do país europeu) estavam em duas contas do Grupo Opportunity no Reino Unido. O bloqueio está relacionado a operações suspeitas que foram detectadas pela inteligência financeira de Londres, informou a página na internet do MPF.O pedido de bloqueio foi feito pelo procurador Rodrigo de Grandis, baseado na Convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) contra o Crime Organizado Transnacional. Ele é o responsável pela condução da Operação Satiagraha, que investiga lavagem de dinheiro, evasão de divisas, gestão fraudulenta e outros crimes financeiros na gestão de dois fundos offshore do Opportunity - o Opportunity Fund e o Opportunity Unique Fund. Na Satiagraha, foram presos e depois soltos o sócio-fundador do Opportunity, Daniel Dantas, o megainvestidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, entre outros. Segundo o MP, os dois fundos offshore não poderiam receber aportes de pessoas físicas e jurídicas brasileiras. Entretanto, as investigações indicam que estes fundos têm como cotistas diversas pessoas físicas e jurídicas brasileiras, inclusive empresas e sócios do Grupo Opportunity - o que também é irregular.IndíciosO MP afirmou que as operações financeiras apontam para a prática de vários crimes. Um deles seria o de gestão fraudulenta, uma vez que tais fundos seriam geridos em desrespeito às determinações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Para o MP, as investigações em andamento e as decorrentes do bloqueio dos US$ 46 milhões permitirão apurar se houve o crime de lavagem de dinheiro.O MP informou que o pedido de bloqueio foi antecedido por duas comunicações do órgão de inteligência financeira do Reino Unido (equivalente ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras, Coaf, no Brasil), realizadas em julho deste ano, que chamavam a atenção para duas operações suspeitas envolvendo contas do Opportunity no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.