Reprodução
Reprodução

MPF apresenta notícia-crime por racismo contra Filipe Martins

A denúncia foi motivada por um gesto feito pelo assessor de Bolsonaro durante uma sessão do Senado nessa semana que foi associado a supremacistas brancos.

Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2021 | 22h05

BRASÍLIA - O Ministério Público Federal, por meio da Procuradoria Regional da República da 5ª Região, apresentou notícia-crime contra o assessor especial para assuntos internacionais da Presidência da República, Filipe Martins, por prática de crime de racismo. A denúncia foi motivada por um gesto feito pelo servidor público durante uma sessão do Senado nessa semana, que foi associado a supremacistas brancos.

No documento, o procurador regional Wellington Cabral Saraiva relata o momento em que o assessor do presidente Jair Bolsonaro reproduz um gesto simbolizando as letras "W" e "P", das palavras "White Power", que significaram "Poder Branco" em inglês.

A situação aconteceu na última quarta-feira, 24. Filipe Martins acompanhou o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, em uma audiência pública no Senado para discutir a pandemia da covid-19. Enquanto o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), falava, o assessor, sentado atrás do político, fez o gesto que resultou na denúncia.

"Não se trata de gesto gratuito, natural ou inconsciente, pois não é crível que alguém no domínio de suas faculdades mentais produza essa exata configuração dos quirodátilos sem desígnio consciente", diz no documento. A notícia-crime foi enviada à Procuradoria da República do Distrito Federal na sexta-feira, 26.

O procurador explica que não se tratou do gesto de "ok", que se faz de forma semelhante em alguns países, pois o contexto não é compatível com essa finalidade. Ainda, apontou outras publicações nas redes sociais em que Martins utilizou símbolos extremistas

"No caso do noticiado, considerando publicações anteriores suas e seu elevado conhecimento de simbologia política, não há dúvida de sua intenção de divulgar símbolo supremacista racial, ou seja, símbolo que dissemina a inferioridade de negros, latinos e outros grupos discriminados e que induz a essa discriminação e a incita", escreveu o procurador.

O MPF argumentou ter competência para fazer a denúncia por se tratar de um servidor público em exercício de função. O procurador solicitou que a notícia-crime seja distribuída a um dos procuradores da República do Distrito Federal e que resulte em denúncia contra o assessor. A pena prevista para o crime de racismo é de reclusão de um a três anos, além de multa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.