MPE vai rastrear emendas da Alesp

O Ministério Público do Estado vai rastrear todas as emendas parlamentares na Assembleia Legislativa de São Paulo que foram efetivamente executadas. É o primeiro passo da investigação sobre denúncias do deputado Roque Barbiere (PTB) que, em depoimento gravado e filmado, afirmou que entre 25% e 30% de seus colegas vendem emendas para prefeitos. Barbiere será chamado para apontar nomes.

AE, Agência Estado

24 Setembro 2011 | 09h01

O promotor de Justiça Carlos Cardoso, que assumiu o comando da apuração, informou que sua estratégia consiste inicialmente no encaminhamento de ofício ao Palácio dos Bandeirantes para definir qual é a secretaria de Estado que recebe e dá curso às indicações das emendas. "Quero saber a relação das emendas que foram cumpridas orçamentariamente, só preciso estabelecer o período", declarou Cardoso que, na segunda feira, vai abrir inquérito civil.

"O inquérito tem a finalidade, no caso concreto, de apurar eventuais atos de improbidade administrativa", anotou o promotor. Ele também vai requerer à presidência da Assembleia processos de elaboração das emendas. "A denúncia do deputado dá conta de que uma parcela da Assembleia se utiliza das emendas para enriquecimento ilícito. O inquérito existe para apurar se esses fatos aconteceram, quando, como e quem são os responsáveis por eles", afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
emendasAlespBarbiereMP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.