MPE quer saber quanto gastam vereadores com assessores

A Promotoria de Justiça da Cidadania decidiu requisitar a lista completa de funcionários e assessores dos gabinetes dos atuais 55 vereadores.O promotor Saad Mazloum - responsável pelo inquérito que apura o excesso de gastos da Casa - quer analisar o valor que está sendo gasto pelos parlamentares com os salários de assessores em comparação com a legislatura passada. O Ministério Público Estadual (MPE) já sabe que os vereadores gastaram mais do que R$ 93 mil mensais para o pagamento de assessores em novembro do ano passado. A informação foi enviada pela própria Câmara aos promotores, em resposta a ofício do MPE. Dos 55 vereadores da legislatura passada, 43 gastaram verba superior aos R$ 93 mil - valor informado pela Câmara ao MPE como a verba gasta com assessores em cada gabinete. Entre os parlamentares que gastaram mais do que R$ 93 mil está o atual presidente da Câmara, José Eduardo Martins Cardozo (PT), cuja linha de atuação à frente da Mesa é justamente reduzir os gastos da Casa. Cardozo pagou, segundo o MPE, R$ 114.024,77 a seus funcionários, em novembro do ano passado. O mesmo aconteceu com boa parte da bancada petista. O líder da prefeita Marta Suplicy, José Mentor, pagou R$ 105.925,30, enquanto Carlos Neder, líder do partido, gastou R$ 102.499,02. O que mais gastou foi o ex-presidente da Câmara, Armando Mellão, que pagou R$ 257.901,14 para 63 funcionários, segundo o MPE. A lista inclui ainda os presidentes das CPIs da Dívida e do Tribunal de Contas do Município, Anna Martins (PC do B) e Gilson Barreto (PSDB), respectivamente. Os parlamentares alegam que as incorporações de gratificações aos salários de funcionários antigos em cargos de confiança são o principal fator do alto custo de seus gabinetes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.