MPE pede seqüestro de bens de Pitta no exterior

O Ministério Público Estadual requereu o bloqueiode valores do ex-prefeito Celso Pitta (1996-2000) no exterior. Por meio de ação cautelarde seqüestro de bens distribuída para a 14ª Vara da Fazenda Pública, três promotoresde Justiça da Cidadania pediram liminarmente o congelamento de ativos de Pitta nosEstados Unidos e na Suíça.Os promotores também solicitaram expedição de ofícios às autoridades de Nova Yorque e de Zurique ? onde o ex-prefeito teria contas ? paraimediata apreensão de documentos bancários.A Justiça ainda não decidiu se acolhe o pedido dos promotores. Pitta é candidato adeputado federal pelo PSL.A base da ação ? subscrita pelos promotores Nilo Spínola Salgado Filho, Silvio AntonioMarques e Sérgio Turra Sobrane ? são os depoimentos da ex-mulher de Pitta, NicéaCamargo, e do ex-coordenador administrativo-financeiro da Construtora Mendes Jr.Simeão Damasceno de Oliveira.Segundo os promotores, Nicéa revelou em depoimentoformal à Promotoria de Justiça da Cidadania que, em 1994, esteve com Pitta na agência do Commercial Bank de Nova Yorque. Na época, ela ainda estava casada com Pitta, que ocupava o cargo de secretário municipal de Finanças do governo Paulo Maluf (1993-1996).Os promotores informaram que Nicéa revelou que soube, no própria agência, que ?Maluf e o filho dele, Flávio, também eram correntistas?. Maluf e Flávio negam possuir recursos no exterior. Malufalega ser vítima de ?perseguição política? de promotores.Simeão, a outra testemunha do Ministério Público, afirmou que 15% dos recursos supostamente desviados do Tesouro por meio de um esquema de propinas que teria sido instalado no Palácio das Indústrias eram destinados a Pitta. Simeão trabalhou durante 16 anos na Mendes Jr., empreiteira que integrou o consórcio para construção da Avenida Água Espraiada ? polêmico empreendimento que teria sido superfaturado,segundo laudo do Centro de Acompanhamento e Execuções da Procuradoria-Geral deJustiça.A assessoria do ex-prefeito informou que ?inexistem contas e bens de Pitta noexterior?. O ex-secretário de Comunicação Antenor Braido destacou que a PolíciaFederal já investigou a denúncia e não indiciou Pitta porque não foram identificadasprovas de remessas de valores e evasão de divisas. ?Tudo o que Pitta possui estádeclarado à Receita e ao Tribunal Regional Eleitoral ?, ressaltou Braido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.