MPE investiga gastos com cartões em Tatuí-SP

O Ministério Público Estadual (MPE) abriu inquérito civil para investigar os gastos do prefeito de Tatuí (SP), Luiz Gonzaga Vieira de Camargo (PSDB), e de secretários municipais com cartões corporativos. De acordo com denúncia do vereador Joaquim Amado Quevedo (PSB), o cartão do prefeito foi usado para pagar despesas em um bar da cidade, feitas entre 20 horas e 23 horas, inclusive em feriados. Além do prefeito, nove secretários dispunham de cartões para pagar despesas de até R$ 1 mil.O secretário do Trabalho, Luiz Antonio Voss Campos, teria adquirido um pneu no valor de R$ 188,70 para colocar no carro do sogro. Houve abuso também, segundo o vereador, nos gastos com combustível. "Os carros foram abastecidos com mais combustível do que cabia no tanque", disse. Notas fiscais de refeições apresentadas pela secretária da Saúde, Maria Filomena Machado, tinham valor excessivo e incluíam o consumo de bebidas alcoólicas, disse o vereador. Ele teve informações de que um dos estabelecimentos funcionava, de fato, como um bingo. O promotor da 5ª Promotoria de Justiça de Tatuí, Alexandre de Magalhães Júnior, determinou à prefeitura que apresente as justificativas para os gastos a fim de decidir se pedirá a abertura de ação civil contra o prefeito e os secretários. O prazo vence na próxima semana. O prefeito disse que a questão dos cartões é antiga e está sendo "requentada" por ser ano eleitoral. Segundo ele, o uso de cartões corporativos ocorreu apenas de março a dezembro de 2005, com um gasto médio mensal de R$ 287,00 por cartão. Ele aboliu o uso por causa da dificuldade de comprovação das despesas. "Fui o primeiro prefeito do Brasil a acabar com o cartão corporativo", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.