MP vai denunciar pelo menos 50 sanguessugas

O Ministério Público Federal (MPF) vai oferecer denuncia, nesta semana, contra pelo menos 50 pessoas por crimes de corrupção ativa e passiva, fraude em processo de licitação, crimes contra ordem tributária e formação de quadrilha. Todos estão envolvidos na chamada máfia das ambulâncias, desbaratada pela "Operação Sanguessuga" dia 4 deste mês. A quadrilha teria movimentado entre 2001 e 2005 pelo menos R$ 110 milhões. Quatorze acusados continuam sendo procurados pela Polícia Federal, cujas prisões foram revogadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na semana passada.Na denúncia, os procuradores Mário Lúcio Avelar e Paulo Gomes, vão sustentar, com base em depoimentos e gravações telefônicas autorizadas pela Justiça, que a quadrilha liderada pelo empresário Darci Vedoim, dono da empresa Planam, agia nos gabinetes do Congresso e do Ministério da Saúde. Segundo o Ministério Público, o esquema envolveu assessores parlamentares, servidores do governo federal, empresários e prefeitos, além de parlamentares. A lista com os nomes não foi divulgada. O relatório com a denúncia será concluído até quarta-feira.Os 129 inquéritos instaurados pela PF constataram a fraude milionária na compra de ambulâncias e equipamentos hospitalares com dinheiro do Orçamento da União em seis Estados - Acre, Amapá, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro - e no Distrito Federal. As apurações feitas indicam que havia um superfaturamento de cerca de 110%. Só com a compra de ambulâncias, podem ter sido desviados de R$ 50 milhões a R$ 60 milhões.Conforme a denúncia, nas investigações da Polícia Federal foram quebrados sigilos bancários e fiscais de mais 50 pessoas físicas e jurídicas. Foram identificados pagamentos de empresas para contas de assessores de congressistas. Também foi realizada uma comparação entre as declarações fiscais e o recolhimento da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.