MP vai à Justiça contra nepotismo no governo do PR

O Ministério Público (MP) do Paraná entrou com ação civil pública contra o governo do Estado pedindo a demissão dos parentes de até terceiro grau do governador, do vice-governador e de secretários, que foram nomeados para cargo em comissão. O MP alega que as nomeações ferem os princípios constitucionais da moralidade administrativa, da igualdade e da impessoalidade. A ação ajuizada na 1ª. Vara da Fazenda Pública de Curitiba será apreciada pelo juiz Marcel Guimarães Rotoli de Macedo. Há outros dois processos populares sobre o mesmo assunto.Na ação são citados o governador Roberto Requião e cinco parentes, entre eles a mulher Maristela e os irmãos Maurício e Eduardo. Também são relacionados parentes do vice-governador Orlando Pessuti, do secretário da Comunicação, Airton Pissetti, e do secretário da Saúde, Cláudio Xavier. Segundo o MP, pode haver outros casos não nominados e que também precisam ser analisados. A assessoria do governo informou que ainda não há notificação sobre a ação do MP.Segundo os promotores Maurício Cirino dos Santos e Terezinha de Jesus Souza Signorini, que assinam a ação, ela somente foi encaminhada à Justiça depois de uma recomendação administrativa ao governo para que todos fossem exonerados "com o objetivo de cessar a antidemocrática prática de nepotismo". Foi concedido prazo de 60 dias. "Porém, até o momento, não demonstraram qualquer ânimo de acolhimento dos postulados da orientação administrativa", dizem os promotores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.