MP quer uniformizar restrições à entrada de espanhóis no Brasil

Os espanhóis devem ter no Brasil omesmo tratamento que os brasileiros recebem no país europeu,embora sem o mesmo "desrespeito aos direitos humanos", dissenesta terça-feira o procurador da República em Guarulhos,Matheus Magnani, que ajuizou uma ação para "uniformizar" oprocesso de entrada de espanhóis no país. "O motivo da ação não é a decisão da Espanha de controlarsuas fronteiras. O motivo é a agressão aos direitos humanos, jáque os brasileiros não admitidos por lá são aglomerados emsalas fétidas, submetidos a fome, sede, humilhação", afirmou oprocurador à Reuters. "Essa ação é para chamar a atenção do governo espanhol",completou ele. Neste ano, centenas de brasileiros foram impedidos deentrar no país europeu, o que gerou atritos entre Brasil eEspanha e levou Brasília a cobrar a aplicação dos mesmoscritérios para permitir a entrada de espanhóis no país. Segundo o procurador, os registros de maus tratos abrasileiros vêm do aeroporto de Barajas, em Madri, o que obrigao Brasil a aplicar o princípio da reciprocidade "comuniformidade em todos os aeroportos brasileiros, e nãoesporadicamente" para exigir dos espanhóis em visita ao Brasilinformações completas sobre sua passagem pelo país. "Mas para os espanhóis que não forem admitidos no Brasil, otratamento não será como o que está sendo aplicado em Barajas.Eles devem ter boas condições até serem enviados de volta aoseu país, em respeito aos direitos humanos", afirmou. A Justiça Federal deve decidir se aceita ou não a açãocivil pública nos próximos dias, afirmou o procurador, sediadono município onde fica Cumbica, o maior aeroporto da AméricaLatina. No início da crise, no começo do mês, o Ministério dasRelações Exteriores afirmou que estudava a adoção de medidas emresposta aos duros critérios para admissão de brasileiros naEspanha.(Reportagem de Maurício Savarese)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.