MP quer apurar vazamento na operação que prendeu Lins

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro requisitou à Polícia Federal (PF) a instauração de inquérito criminal para apurar o vazamento de trechos da denúncia e de gravações telefônicas da investigação que deu origem à Operação Segurança Pública S/A, que resultou na prisão do deputado estadual Álvaro Lins (PMDB). Lins. Ex-chefe da Polícia do Rio, foi solto no dia seguinte.No ofício, os procuradores relatam que, no dia seguinte à deflagração da ação, foram veiculados trechos do relatório da PF com referência a escutas telefônicas e da denúncia levada ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), além da reprodução de áudios gravados na interceptação telefônica.O MPF informa que "repudia" o vazamento das conversas telefônicas sigilosas, pois as gravações contêm diálogos que ainda são objeto de investigação. Para o MPF, há flagrantes indícios de violação das normas que impõem o sigilo de tais informações, o que pode configurar crimes de quebra de segredo de Justiça e violação de sigilo funcional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.