MP prende sargento lotado no gabinete de Yeda Crusius

O sargento Cesar Rodrigues de Carvalho, que estava lotado no gabinete da governadora Yeda Crusius (PSDB) até a semana passada, foi preso na manhã de hoje em Porto Alegre após uma investigação do Ministério Público Estadual (MPE). Ele é acusado de utilizar o Sistema de Consultas Integradas do Estado para levantar informações de investigações policiais, de partidos políticos e de candidatos a deputado gaúchos, além de um ex-ministro e de um senador da República. O MPE informou que continuará a investigação, pois há indícios de que oficiais de dentro da Casa Militar estariam envolvidos no esquema.

LUCAS AZEVEDO, Agência Estado

03 de setembro de 2010 | 18h31

O sargento foi denunciado por um empresário ligado a bingos e caça-níqueis, de quem ele recolheria propina há dois anos. Segundo o promotor eleitoral Amilcar Macedo, que vem comandando as investigações, há cerca de três meses o empresário entrou em contato com o MPE para denunciar o sargento.

"Uma coisa é um assaltante entrar armado na tua loja para te assaltar, outra é quando ele vem com arma na cintura e brasão do Estado", disse o dono de bingo. Ele informou que Carvalho se dirigia semanalmente à cidade de Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, - utilizando carros oficiais do Estado - para receber a propina.

Tudo indica que Carvalho faça parte de um esquema ilegal de coleta de informações contra desafetos e inimigos políticos. Os indícios levantados até agora dão conta de que o sargento agia muito bem amparado. Ao cobrar propina, falava que ia buscar o dinheiro dele e dos "chefes".

Apesar de denúncias ao comando da Brigada Militar (BM, a Polícia Militar gaúcha), nunca foi repreendido e, ao saber das investigações do MPE, foi exonerado do cargo, mas, de acordo com o Diário Oficial de terça-feira, foi realocado para assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) no cargo de um coronel. O praça incorporou a função gratificada de um oficial.

Segundo um oficial da Casa Militar do RS ouvido pelo MPE, depois de integrado ao gabinete da governadora, a ligação de Carvalho com empresários contraventores foi denunciada duas vezes pelo disque-denúncia. Informalmente, revelou o oficial, essa informação foi repassada ao comando da BM.

Acessos

A sensação de impunidade do sargento e sua sede de informação eram tamanhas que, em uma semana, ele chegou a acessar o Consultas Integradas 1,2 mil vezes. Além de ter predileção por um partido político, o sargento acessou dados de variados candidatos desta eleição no Estado, de um ex-ministro e de um senador. Não satisfeito, vasculhou a vida de um oficial chefe de inteligência do 5º Comando Aéreo Regional (Comar).

A liberdade em utilizar o banco de dados do Estado - Carvalho realizava acessos inclusive de casa, durante a madrugada - fez com que sua prisão fosse antecipada para hoje. Ele havia descoberto que uma equipe da inteligência da BM junto com uma do MPE estavam na sua cola e iniciou uma espécie de contraespionagem, prejudicando as apurações.

O Palácio Piratini foi procurado e informou que se pronunciaria por meio do secretário da Transparência e da Probidade Administrativa, Francisco Luçardo, e do Chefe da Casa Militar, Tenente Coronel Marco Antônio Oliveira Quevedo. Mas até o início da noite, nenhum dos dois responderam às ligações ou retornaram os contatos feitos pela reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.