MP mineiro cobra dívida do governo Itamar

Irregularidades em contratos entre Minas e a empresa Gtech somam R$ 414,9 milhões que terão de ser devolvidos

Marcelo Portela, de O Estado de S. Paulo

02 de maio de 2011 | 23h00

BELO HORIZONTE - A Justiça mineira determinou a expedição de mandado para notificar o Estado de Minas Gerais, o senador Itamar Franco (PPS-MG), representantes da GTech do Brasil Ltda., a ex-procuradora-geral de Minas Misabel Derzi e ex-presidentes da Loteria Mineira. Acusados de uma série de irregularidades em contratos entre o governo estadual e a empresa, o Ministério Público Estadual (MPE) quer que eles sejam obrigados a devolver R$ 414,9 milhões aos cofres públicos.

 

Os promotores responsáveis pela ação pediram ainda liminar para a quebra do sigilo bancário e a indisponibilidade de bens dos acusados, mas a Justiça ainda não se manifestou. A GTech é a mesma empresa acusada de envolvimento em irregularidades em contratos com a Caixa Econômica Federal (CEF) nos governos dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, como mostraram investigações do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Bingos, em 2005.

 

Em Minas, a empresa participou, em 1994, de uma licitação para adotar o sistema de captação de apostas da Loteria Mineira e gestão de jogos online da autarquia no valor estimado de R$ 40 milhões. De acordo com o Ministério Público, a empresa descumpriu várias cláusulas do edital. A ação, assinada pelos sete representantes da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público do MP mineiro, ressalta que, apesar da "flagrante inadimplência da concessionária com suas obrigações contratuais", o governo assinou aditivos ao contrato atendendo pedidos da GTech.

 

Pena revogada. O Ministério Público ressalta que relatório da própria Loteria Mineira mostrou que o atraso com relação aos prazos definidos no edital causou prejuízo de R$ 286,2 milhões à autarquia. O descumprimento das cláusulas levou a direção da Loteria Mineira a aplicar à GTech, em 2000, uma multa de R$ 29,3 milhões, pena revogada por ato do então governador Itamar Franco (PMDB). A decisão teria sido baseada em parecer do procurador do Estado Cleber Reis Greco, "com a concordância expressa" da então chefe da Procuradoria, Misabel Derzi. Os dois já haviam concordado com a multa, segundo o MPE.

 

O órgão afirmou ainda que o caso, "em tese", caracterizaria improbidade administrativa, mas que houve prescrição, já que os acusados deixaram os cargos há mais de cinco anos - a ação foi proposta à Justiça em abril deste ano. Procurado pelo Estado, o senador Itamar Franco informou, por meio de sua assessoria, que não foi notificado sobre o processo. No antigo endereço da GTech, a informação é a de que a empresa foi desfeita. Misabel Derzi e Cleber Greco não foram localizados.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
ItamarirregularidadesMinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.