MP investiga venda de voto em São José da Laje-AL

O Ministério Público (MP) de Alagoas instaurou hoje um procedimento investigatório para apurar denúncia de venda de voto registrada no cartório de São José da Laje, a 106 quilômetros de Maceió. A transação teria ocorrido em maio de 2006 entre o ex-vereador Antônio Jorge Bezerra (PSC), mais conhecido como Tati, e o prefeito da cidade do interior de Alagoas Paulo Roberto Pereira de Araújo (PTB), mais conhecido como Neno. A acusação foi feita no início de março pelo vereador José Carlos Diniz (PSL), conhecido como Zé da Galera. Segundo Zé da Galera, Tati teria vendido o voto por R$ 15 mil a Neno, durante as articulações para a eleição da Mesa Diretora de Câmara Municipal no biênio 2007/2008. O recibo da suposta combinação foi publicado pela imprensa alagoana. A investigação sobre o caso é feita pelo promotor de Justiça Jorge Dória, da Promotoria da cidade. Por telefone, Dória disse que, dentro de 15 a 30 dias, terá elementos suficientes para dizer se será preciso instaurar uma ação civil pública ou penal contra o ex-vereador do PSC e o prefeito de São José da Laje. "Vamos ouvir o autor da denúncia, o ex-vereador denunciado, o prefeito do município, a funcionária do cartório e outras testemunhas sobre o caso", afirmou o promotor. Segundo Dória, será realizada também uma perícia no comprovante da operação para verificar se a assinatura no documento registrado no tabelionato é mesmo de Tati. Ele negou ter vendido o voto a Neno e registrado o ato no ofício de notas. Segundo Tati, a assinatura foi falsificada. O prefeito também negou ter participado da negociata. Ao ser ouvido sobre o caso, Neno disse que o recibo da venda do voto "é absolutamente falso".

RICARDO RODRIGUES, ESPECIAL PARA AE, Agencia Estado

11 de março de 2008 | 18h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.