MP entra com ação por improbidade contra Jaime Lerner

Ex-governador é acusado de concessão irregular de indenização nos últimos dias de gestão em 2002

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

10 de setembro de 2007 | 19h08

A Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público de Curitiba propôs uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o ex-governador do Estado Jaime Lerner. De acordo com o Ministério Público (MP), ele é acusado de concessão irregular de indenização nos últimos dias da gestão, em 2002, que teriam resultado em pagamento de mais de R$ 40 milhões em créditos tributários. Segundo a ação, em dezembro de 2001, a Assembléia Legislativa promulgou emenda constitucional, tratando sobre indenização para pessoas que tiveram prejuízos materiais em função do período revolucionário. A emenda foi questionada pela Procuradoria-Geral do Estado no Supremo Tribunal Federal (STF). Mas, segundo o MP, o empresário José Marcos de Almeida Formighieri, também citado na ação, fez um contrato com Reis para que este fizesse o pedido de indenização, alegando que não queria que seu nome aparecesse.Segundo o MP, no início de dezembro de 2002, Reis fez o requerimento ao governo, solicitando o reconhecimento de direito à indenização. A PGE deu parecer negativo. Mesmo assim, a Secretaria de Governo teria elaborado parecer favorável ao deferimento do pedido. De acordo com o MP, quatro dias antes do encerramento do mandato, Lerner teria deferido o direito à indenização. O MP acentua, ainda, que, após a saída de Lerner do governo, o processo administrativo que admitiu o direito à indenização teria desaparecido dos arquivos e protocolos do Estado.Outro ladoEm nota, o ex-governador afirmou que não houve pagamento às pessoas citadas, "ao menos no meu governo". Segundo ele, a ação foi "abortada". "Determinei à Procuradoria do Estado entrar com Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) no Supremo Tribunal Federal, e o Supremo entendeu como inconstitucional a emenda à Constituição do Estado do Paraná que permitia tal forma de proceder", disse. Formighieri também ressaltou não ter recebido "nenhum centavo" de indenização, apesar de se declarar com todos os direitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.