MP Eleitoral rejeita contas da campanha de Alckmin

O Ministério Público Eleitoral (MPE) deu parecer pela rejeição das contas do comitê de campanha do PSDB e de Geraldo Alckmin à presidência da República. Os técnicos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já haviam, por duas vezes, recomendado a rejeição das contas. De acordo com o parecer do procurador Francisco Xavier Pinheiro Filho, concluído na semana passada, houve despesas sem nota fiscal, doações de recursos sem comprovantes, além de uma dívida pendente de R$ 19,9 milhões. Ainda segundo o parecer, é "inviável" aprovar as contas porque o comitê fez gastos antes da abertura da conta de campanha, o que é vedado por lei. Diante dessas supostas irregularidades, o TSE pode suspender o repasse de recursos do fundo partidário para a legenda. O julgamento das contas não tem data marcada.O partido nega as irregularidades e dirigentes da legenda lembram que as contas do PT foram aprovadas mesmo com o escândalo da compra do dossiê contra políticos tucanos no ano passado. Portanto, dizem dirigentes da legenda, motivos para o TSE rejeitar as contas do PSDB.AlckminO ex-governador Geraldo Alckmin disse que a rejeição das contas se trata apenas de uma formalidade. "O que houve foi que existem duas prestações de contas. A conta do candidato não teve movimentação, apenas a do comitê financeiro. O TSE quis que reproduzíssemos na prestação de contas do candidato a do comitê financeiro e isso nós fizemos", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.