MP denuncia Maluf e família por lavagem de dinheiro

O Ministério Público Federal em São Paulo denunciou nesta segunda-feira à 2ª Vara Criminal Federal o deputado federal eleito Paulo Maluf (PP) e mais dez pessoas, acusadas de montar um "internacional e complexo esquema de formação de quadrilha com o objetivo de lavar dinheiro oriundo de corrupção". Segundo informações do site do Ministério Público, parte do dinheiro de corrupção é proveniente das obras da avenida Águas Espraiadas, realizada na última gestão de Maluf na Prefeitura de São Paulo (1993-1996). De acordo com o MP, os recursos foram para a conta Chanani, em Nova Iorque, e de lá para quatro contas no paraíso fiscal de Jersey, no Reino Unido, de onde migraram para sete fundos de investimento na mesma ilha. O dinheiro depois foi investido na Eucatex, empresa da família do ex-prefeito. Da família de Maluf, foram denunciados sua mulher, Sylvia Lutfalla Maluf; os quatro filhos do casal, Flávio, Ligia, Lina e Otávio; a mulher de Flávio, Jacqueline Coutinho Maluf; e o marido de Ligia, Maurílio Miguel Maurílio Curi. Os outros denunciados são o preposto de Maluf no Líbano, Hani B. Kalouti, acusado de ser um dos responsáveis pela montagem do esquema, e o casal de doleiros Roger Clement Haber e Myrian Haber, acusados pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Esse processo já acarretou a prisão de Maluf e Flavio durante 40 dias no ano passado, acusados de tentar coagir o réu Vivaldo Alves. A nova denúncia do MP é fruto da cooperação jurídica internacional estabelecida diretamente entre o Ministério Público Federal em São Paulo e autoridades da Suíça, Inglaterra e Jersey. Apesar da denúncia, Maluf será diplomado na terça-feira deputado federal pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP). A partir de então, ele passará a ter foro privilegiado e todos os processos contra ele passarão a tramitar no STF. Atualmente, na Justiça Federal de São Paulo, Maluf responde a três processos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.