MP avisa Itamar para evitar campanha

O governador de Minas, Itamar Franco (PMDB), foi advertido pelo Ministério Público Estadual para que não transforme as comemorações do dia 21 de abril, em Ouro Preto, neste sábado, em ato político-eleitoral. Nos últimos dois anos, Itamar fez, da festa na antiga Vila Rica, atos públicos de protesto contra o governo federal. Desta vez, na condição de pré-candidato do PMDB à Presidência da República, ele prometeu repetir a dose, enfocando, no evento, a luta contra a privatização de Furnas Centrais Elétrica e a defesa da criação de uma CPI da corrupção. Segundo o promotor Eduardo Nepomuceno de Souza, da Promotoria Especializada na Defesa do Patrimônio Público de Minas, foram constatados indícios de que a festa de Ouro Preto, patrocinada todos os anos pelo governo estadual, poderia ter fins eleitorais. Um deles seria a ampla campanha publicitária em torno do evento bancada pelo governo Itamar, com peças no rádio e na TV, além de outdoors espalhados por Belo Horizonte, expondo o tema oficial da comemoração: "Em Minas, o que se respira é a liberdade". Souza informou que o governo estadual recebeu um ofício pedindo a suspensão da campanha e também avisando Itamar e seu vice, Newton Cardoso - pré-candidato à sucessão do governador - de que a atividade em Ouro Preto seria fiscalizada. "A recomendação do Ministério Público, no 21 de abril, foi evitar o uso da máquina pública, porque se trata de ato oficial em comemoração ao Dia da Inconfidência, e evitar esse uso em favor de quem quer que seja", explicou o promotor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.