MP acusa administrador de fazenda da morte de cacique

O Ministério Público Federal acusa como principal culpado pelo assassinato do cacique da naçãoGuarani-Kaiowá, Marcos Verón, 73 anos, o administrador da Fazenda Brasília, situadano município de Juti, no sul do Mato Grosso do Sul, Nivaldo Alves de Oliveira.Para o procurador da República em Dourados, Charles Stevan da Motta Pessoa, "houve umverdadeiro massacre dos índios". Cerca de 50 índios invadiram a fazenda, afirmandotratar-se de terras de seus antepassados, e, na madrugada do dia 13 de janeiro desteano, um grupo de 30 a 40 homens armados invadiu o acampamento e expulsou os índiossob ameaças, agressões e disparos de tiros e rojões.Índios ouvidos pelo Ministério Público Federal afirmam que o administrador é o autor das coronhadas na cabeça do cacique Marcos Verón, que morreu de traumatismo crânio-encefálico provocado pelas coronhadas de uma arma longa, ainda conforme as testemunhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.