Movimentos sociais interditam rodovias e promovem invasões na Bahia

Entidades e sindicatos ligados aos sem-terra, acampados e sem-teto realizaram manifestações nesta segunda-feira em seis municípios da Bahia, interditando rodovias e ocupando prédios públicos. Reunidos na Articulação dos Movimentos Sociais Rurais e Urbanos da Bahia, os manifestantes fecharam as rodovias BR- 410, entre os municípios de Ribeira do Pombal e Tucano, no nordeste do Estado; a BR-242, em Ibotirama, no centro; além da BR-101, na altura do município de Aracata, sul baiano. Em Salvador, os trabalhadores e sindicalistas ocuparam a sede da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder).O amplo protesto tem o objetivo de cobrar uma série de reivindicações apresentadas em abril do ano passado, que vão desde a realização de 141 vistorias pelo Incra em áreas consideradas improdutivas, ao fim da atual política econômica e contra a Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), passando por pedidos de melhorias nas vias de acesso a comunidades pesqueiras e a criação de 500 frentes de trabalhos emergenciais para os desempregados. São 350 reivindicações, conforme os líderes dos movimentos, já recebidas e protocoladas por 21 instituições da Bahia e da União. Apenas 30 pedidos foram atendidos.Segundo nota divulgada pelas entidades, a Conder foi escolhida como alvo para ser ocupada para que elas possam "denunciar o autoritarismo com que a empresa pública e o resto do governo do Estado criminalizam os movimentos sociais, agem com truculência contra a população a que deveriam servir e fazem promessas que não cumprem de propósito, para ganhar sua luta contra o povo pelo cansaço e depois fazer propaganda". Um destacamento da Polícia Militar foi enviado ao local para manter a ordem. Os líderes da ocupação temiam uma ação violenta da PM e tentavam negociar um acordo com diretores da Conder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.