Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Movimentos sociais estimam em 150 mil o público que estará amanhã na Paulista

Organizadores pedem isonomia da PM em relação ao ato de domingo, com manifestantes favoráveis ao governo Dilma Rousseff e dizem que secretário de Segurança garantiu retirada de manifestante que ocupam a avenida desde quarta-feira

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2016 | 18h17

São Paulo - Dirigentes das entidades que integram a Frente Brasil Popular se reuniram na tarde desta quinta-feira, 17, com o secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre de Moraes (PSDB), para pedir garantias de segurança para o ato contra o impeachment marcado para esta sexta-feira, 18, na capital.

O grupo estima que 100 mil pessoas estarão no evento, que contará com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os organizadores também pediram na reunião que a Polícia Militar desocupe a Avenida Paulista, que está interditada por manifestantes pró-impeachment. Segundo eles, o secretário teria garantido que retiraria as pessoas às 21h desta quinta-feira. 

“Na semana passada o governador e o secretário deram entrevista coletiva dizendo que os manifestantes podiam ir tranquilamente à manifestação que ocorreu domingo. Deixaram de fazer isso agora e nós cobramos isso”, afirmou Emídio Souza, presidente do PT paulista.

Na quinta-feira da semana passada, o governador Geraldo Alckmin e Moraes receberam lideranças do Movimento Brasil Livre e deputados de oposição no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, e concederam entrevista coletiva ao lado deles.

Segundo o presidente do PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estará no palco principal, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp). “Não queremos tratamento diferenciado nas ruas”, afirmou Marianna Dias, diretora da UNE, que também participou do encontro.

O secretário garantiu que mobilizará a mesma quantidade de policiais que trabalharam no domingo passado. Na saída da reunião da reunião, presidente da CUT, Vagner Freitas, chamou de "criminosa" a divulgação do áudio com diálogos de Dilma e Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.