Movimentos sociais discutem campanha contra o desemprego

Representantes dos principais movimentos sociais do País estão reunidos desde esta quarta-feira em São Paulo, discutindo formas de mobilizar a sociedade numa ampla campanha nacional contra o desemprego. A data mais provável para o seu início seria o dia 1º de Maio. Da reunião, denominada Plenária do Conselho de Movimentos Sociais também deverá sair uma carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sugerindo mudanças na política econômica adotada pelo seu governo."Está claro para todos os movimentos que a política atual só serviu para aumentar o desemprego nas cidades e piorar a situação dos trabalhadores no campo", disse à Agência Estado o representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no conselho, Antonio Carlos Spis. "O que estamos discutindo aqui são formas de colocar o povo na rua para pressionar o governo a fazer mudanças".O encontro, que termina nesta quinta, reúne, além da CUT, representantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Movimento dos Sem-Terra (MST), União Nacional dos Estudantes (UNE), Central de Movimentos Populares (CMP), Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Comissão Pastoral Operária (CPO), Grito dos Excluídos e mais de uma dezena de outras organizações. As decisões da reunião serão anunciadas oficialmente na segunda-feira, durante uma entrevista coletiva na sede da CUT em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.