Movimentos sociais defendem moradia em São Paulo

Cerca de 400 manifestantes querem reivindicar contra cortes orçamentários no setor da habitação

Agência Brasil

24 de novembro de 2008 | 13h25

Cerca de três mil pessoas de movimentos sociais que lutam pelo direito a moradia são esperadas nesta segunda-feira, 24,  para participar de uma manifestação que começou pela manhã, na praça da Sé, no centro da capital paulista. Os manifestantes estão, neste momento, em frente à Bolsa de Valores de São Paulo, Bovespa, e devem ser recebidos por um dos diretores da entidade para reivindicar contra cortes orçamentários no setor da habitação.   De acordo com a Polícia Militar, aproximadamente 400 pessoas estão em frente à Bovespa. De lá, eles devem partir ainda em caminhada para a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) e para a Prefeitura de São Paulo.   A manifestação, chamada Jornada Nacional de Luta pela Reforma Urbana e pelo Direito a Cidade, começou em São Paulo e deve ocorrer durante toda a semana em diversos estados do país e no Distrito Federal. Um dos principais apelos é que sejam destinados todos os imóveis públicos ociosos para habitação de interesse social. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2006, o estado de São Paulo concentra o maior déficit habitacional do país, com cerca de 1,5 milhão de casas.

Tudo o que sabemos sobre:
protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.