Gabriela Biló
Gabriela Biló

Movimento ‘Volta, FHC’ gera críticas de tucanos

Em artigo, aliado defende o nome do ex-presidente para um mandato-tampão

Valmar Hupsel Filho e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2016 | 23h30

No momento em que cresce o acirramento entre grupos do PSDB tendo como pano de fundo a disputa eleitoral de 2018, a defesa de um aliado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso por sua volta ao cargo gerou críticas nas diferentes alas do partido.

Em artigo publicado nesta quinta-feira, 3, no jornal Folha de S.Paulo, o ex-deputado Xico Graziano defendeu o nome de FHC para um “mandato-tampão” no caso de cassação da chapa de Dilma Rousseff e de Michel Temer, eleita em 2014, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Chefe do gabinete pessoal do tucano quando ele foi presidente, Graziano também criou uma página no Facebook e um site chamados “FHC Presidente”. 

“Pode ser que a Justiça acelere o processo político e casse a chapa Dilma-Temer. Nesse caso, o Congresso elegeria um presidente-tampão. Seria Fernando Henrique, com certeza. Ele prepararia o caminho rumo ao porvir. Michel Temer, porém, poderá seguir até 2018. Aí, a decisão será popular”, afirmou Graziano no artigo. 

O movimento recebeu fortes críticas dentro do partido. Parlamentares e dirigentes tucanos avaliaram a atitude de Graziano como inoportuna e extemporânea. “É um assunto que veio em um mau momento, quando o partido está tentando buscar acordos internos, e ele vem com uma proposta que está fora do centro. Ninguém está discutindo os méritos de Fernando Henrique, mas ele mesmo desmentiu em nota. Acho que morreu aí”, avaliou o secretário-geral do PSDB, Silvio Torres.

Nos bastidores, nomes ligados ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) e ao chancelar José Serra qualificaram a atitude como “maluquice” e viram a atitude como isolada.

A ação que pede a cassação da chapa foi proposta pelo PSDB e a previsão é de que seja julgada no ano que vem.

Negativa. Após a publicação do artigo, FHC divulgou nota afirmando que jamais cogitou se candidatar novamente ao cargo. “A propósito de comentários sobre uma eventual candidatura à Presidência esclareço, do exterior, onde me encontro, que jamais cogitei dessa hipótese nem ninguém me consultou sobre o tema. Minha posição é conhecida: nas circunstâncias, o melhor para o Brasil é que o atual governo leve avante as reformas necessárias e que em 2018 possamos escolher líderes à altura dos desafios do País. Precisamos superar a crise financeira para criar empregos e para que o povo viva em uma sociedade próspera e decente.”

Na avaliação do cientista político Carlos Melo, a iniciativa pareceu estranha, pois, além de o próprio FHC ter negado, a defesa do nome do ex-presidente para um mandato-tampão implica uma espécie de movimento “Fora, Temer”.

“O que me parece é que ele foi mais realista que o rei”, disse. Na avaliação de Melo, seria uma “descortesia” do ex-presidente apoiar um gesto como este 15 dias depois de ter encontrado Temer em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.