Movimento Pró-Congresso pedirá impeachment de Lula

O deputado federal Rafael Guerra (PSDB-MG) anunciou nesta quinta-feira, na OAB-SP, que o Movimento Pró-Congresso, do qual é um dos integrantes, deve entrar na próxima semana com um pedido de abertura de processo de impeachment contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por crime de responsabilidade no episódio de violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa. O anúncio foi feito durante o ato público em homenagem ao caseiro promovido pela OAB-SP, com a presença de parlamentares e juristas. Para Guerra, o presidente teria tido conhecimento da operação que resultou na quebra de sigilo do caseiro.O jurista e ex-ministro da Justiça, Miguel Reale Junior, do Movimento da Indignação à Ação, disse que se o presidente teve conhecimento prévio da iniciativa da Caixa Econômica Federal, o pedido de impeachment é cabível, mas antes é necessário investigar o grau de um possível envolvimento do chefe do governo.ProtestoEm Brasília, o líder do PT na Câmara, deputado Henrique Fontana (RS), protestou contra afirmação do deputado Rafael Guerra. "Rafael Guerra tem de ter respeito à Constituição do País e respeitar o mandato legítimo do presidente Lula", afirmou Fontana. "Se ele quiser derrubá-lo, tem de convencer a maioria da população a votar com ele (Guerra) e não querer afastá-lo no golpe".Fontana classificou a declaração de Guerra de que Lula teria tido conhecimento da operação que resultou na quebra de sigilo do caseiro de "denuncismo irresponsável e golpista". "É um tribunal do PSDB e do PFL que julga do que o presidente teve conhecimento ou não?", questionou o líder petista. Segundo ele, cada vez mais, os dois partidos "dão sinais claros de que apostam no golpismo e abriram seu tribunal de exceção para julgar todos os dias o presidente Lula".

Agencia Estado,

30 de março de 2006 | 17h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.