ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Movimento ligado a Huck assina carta-compromisso com PPS

Agora! e partido comandado por Freire assinam acordo para dar autonomia aos participantes do movimento que queiram participar das eleições

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

20 Fevereiro 2018 | 18h01

O PPS e o movimento Agora! assinaram nesta terça-feira, em Brasília, uma carta-compromisso de ação política. Os principais pontos do documento falam em espaços para candidatos oriundos do movimento se candidatarem nas próximas eleições, autonomia dos seus participantes e a criação de um grupo para discutir "o revigoramento da vida partidária". Além do PPS, o Agora! irá assinar uma carta semelhante com a Rede e com mais duas legendas (ainda não divulgadas pelo grupo). Apesar da assinatura com o movimento de renovação política, o "não" do apresentador Luciano Huck à candidatura presidencial deve levar o partido para a base de apoio do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

++ Oposição ensaia reaproximação e lança manifesto com conteúdo programático único

"A carta é um primeiro compromisso, um primeiro passo. Ela aponta para a necessidade de uma ação concreta do movimento em direção à interferência na política", disse um dos fundadores do Agora!, Leandro Machado. "Esse é um acordo de convergências, uma vontade de criar pontes e não destruí-las. Vontade de criar uma relação que pode ser de interdependência e troca com o universo político", completou outro fundados do grupo, Humberto Laudares.

++ Huck desiste de disputar eleição presidencial

O presidente do PPS, Roberto Freire, afirmou que esse também foi um passo em direção às mudanças inevitáveis no "fazer político" e nos partidos. "Se a sociedade mudou, os sindicatos mudaram, a família mudou... Por que o mesmo não aconteceria com os partidos", disse. A reunião nacional do PPS, marcada para os dias 23 a 25 de março, devem definir mudanças estatutárias e encaminhar uma decisão sobre candidaturas majoritárias. "Quando a candidatura Luciano Huck ainda era uma hipótese, havia a possibilidade de uma mudança de nome da legenda. Ela pode acontecer, mas saiu um pouco de foco", disse Freire. O deputado também confirmou que, sem Huck, a tendência é que o partido fecha questão e apoie a candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Apoio pode ser fechado mesmo antes da reunião nacional.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.