Movimento dos Direitos Humanos quer interditar celas de aço

O Movimento Nacional dos Direitos Humanos vai pedir a interdição da cadeia de Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba, onde, desde fevereiro, foram instaladas celas com chapas de aço como paredes e assoalhos, impedindo que os presos tentassem fugas. "São chapas de aço com péssima ventilação e que transgride o Código Penal", disse o representante do movimento no Paraná, Narciso Pires.O pedido deve ser encaminhado até quinta-feira ao Ministério Público, que deverá opinar e remeter o parecer à Justiça. De acordo com Pires, a alternativa encontrada pelo delegado de Fazenda Rio Grande, José Carlos de Oliveira, "apenas atesta a falência do sistema prisional"."Se não houver um recuo, nós infelizmente teremos de fazer uma grande campanha nacional e até internacional para inibir esse procedimento", disse Pires.O delegado Oliveira acredita que o objetivo do movimento ao pedir a interdição é evitar que se torne modelo. Ele garantiu que os presos têm sido tratados dentro das prerrogativas dos direitos humanos.Caso precise desativar a cadeia, Oliveira disse que terá de remover os dez presos. "Só não sei para onde vão", afirmou. Dois presos que não se identificaram, ouvidos hoje à tarde pela rádio CBN de Curitiba, não reclamaram das condições de ventilação da cadeia. "Não é diferente das outras, pois não tem cadeia boa", disse um deles. "Mas aqui é mais difícil para a fuga e o pensamento nosso é só fuga."O secretário de Segurança Pública do Paraná, José Tavares, disse que irá analisar a experiência para estendê-la a outras delegacias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.