Leticia Bragaglia/Assessoria de Comunicação
Leticia Bragaglia/Assessoria de Comunicação

Mourão vai acompanhado de Levy Fidelix a São Paulo para encontro com Doria

Governador do Estado garantiu 'apoio incondicional' à Reforma da Previdência e afirmou que encontro 'não foi político'

Pedro Venceslau e Matheus Fagundes, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2019 | 15h52

O presidente em exercício, general Hamilton Mourão (PRTB), veio acompanhado do dirigente do seu partido, Levy Fidelix, para a viagem a São Paulo nesta segunda-feira, 18. 

O primeiro compromisso foi um almoço no Palácio dos Bandeirantes com o governador João Doria (PSDB). O cardápio da conversa, segundo eles, foi a reforma da Previdência. "Não foi um encontro político. Não temos alinhamento partidário com o partido do presidente, mas com o Brasil", disse Doria em pronunciamento aos jornalistas. O tucano afirmou também que tem diferenças com o PSL de Jair Bolsonaro, mas que isso não impede um bom relacionamento com o governo para tratar de "boas ideias pelo Brasil". 

Apesar de afirmar falta de alinhamento partidário, Doria lançou o termo "BolsoDoria" durante o segundo turno das eleições 2018, na tentativa de puxar votos de eleitores do então candidato à presidência Jair Bolsonaro. Em uma das ocasiões, Doria foi ao Rio de Janeiro para encontro com Bolsonaro em sua residência, mas não foi recebido por ele. Bolsonaro se declarou "neutro" no segundo turno, mas foi contrariado pelo vice, que selou apoio ao então candidato tucano ao governo

Fidelix se posicionou estrategicamente ao lado de Mourão no púlpito em frente às câmeras. O dirigente do PRTB seguiu com o presidente em exercício para outras duas agendas na capital paulista: um encontro com empresários suecos e um jantar no clube Hebraica.  

Desde a posse do novo governo, Levy Fidelix, que não conseguiu se eleger deputado federal em 2018, tem atuado ao lado de Mourão e conta até com um espaço para despachar na vice Presidência. O líder do PRTB faz a ponte entre o vice e políticos.

Mourão e Doria não quiseram responder perguntas dos jornalistas. Em sua rápida fala, o presidente em exercício disse que a reforma da Previdência é o "ponto de partida" para a reformulação do País. De acordo com ele, o governo federal tem como objetivo estreitar relacionamento com os Estados para atrair investimentos

Doria prometeu a Mourão "apoio incondicional" da bancada de São Paulo na Câmara a reforma da Previdência. O tucano disse ainda que além da reforma, tratou com Mourão do programa de desestatização estadual e de investimentos em infraestrutura, e disse estar satisfeito com os acordos realizados em parceria com o governo federal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.