Dida Sampaio/Estadão -26/5/2021
Dida Sampaio/Estadão -26/5/2021

Mourão sobre perdão a Silveira: 'presidente agiu dentro da Constituição'

Vice-presidente volta a defender decreto de Bolsonaro que concedeu perdão a deputado bolsonarista e evita novo embate com Barroso

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2022 | 16h04

BRASÍLIA - O vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos) afirmou nesta quarta-feira, 27, que considera constitucional o perdão concedido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por ataques à democracia e às instituições. "O presidente agiu dentro daquilo que a Constituição lhe faculta”, afirmou o vice-presidente a jornalistas, no Palácio do Planalto.

Em meio à crise causada pelo decreto de Bolsonaro na relação entre os Poderes, Mourão avaliou que é preciso “manter a calma”. “Agora, o Supremo julga aí o que ele achar. Na minha visão, acho que tem que se manter a calma e vamos evitar que algo que é muito pequeno se torne uma onda gigantesca”.

No mesmo tom de pacificação, o general evitou reiterar críticas ao ministro Luís Roberto Barroso, do STF, que disse no final de semana que as Forças Armadas estão sendo "orientadas" a desacreditar o sistema eleitoral no Brasil. “Esse assunto já considero virado. O ministro Barroso fez a observação dele, houve a resposta do Ministério da Defesa, apenas comentei que a Forças Armadas não estão metidas nessa questão, estão fora”, afirmou Mourão.

Na segunda-feira, em entrevista ao jornal gaúcho Zero Hora, o general da reserva reagiu a Barroso e disse que as Forças Armadas "não são crianças para receber orientações". "O ministro sabe da minha posição. Tá encerrada. Aquilo que eu falei: temos que manter a calma, vamos evitar que as coisas pequenas se transformem num tsunami", afirmou o vice-presidente nesta quarta.

França

Aos jornalistas no Planalto, Mourão ainda minimizou as tensões entre Bolsonaro e o presidente reeleito da França, Emmanuel Macron, e seus impactos para os dois países. "Não acho que a relação entre a França e o Brasil seja uma relação ruim, né? Você pode até dizer que não temos amizade entre os mandatários. Ok. Mas a França tem 'ene' interesses aqui no Brasil.  Acho que os interesses de ambos os países estão acima das vontades pessoais de cada um.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.