Antônio Cruz/Agência Brasil
Antônio Cruz/Agência Brasil

Mourão diz que depoimento de porteiro não tem poder de derrubar governo, mas 'perturba'

Vice considera proporcional reação do presidente à citação em caso Marielle e afirma que Bolsonaro foi atingido de forma desleal

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2019 | 09h53
Atualizado 30 de outubro de 2019 | 12h01

BRASÍLIA - Para o presidente em exercício, Hamilton Mourão (PRTB), o depoimento do porteiro que cita o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em investigação sobre a assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes não tem poder de derrubar o governo, mas perturba o "andamento do serviço".

"Não dá pra derrubar o governo dessa forma, mas que perturba o andamento do serviço, como se diz na linguagem militar, perturba", declarou Mourão na manhã desta quarta-feira, 30. 

O general considerou o depoimento muito fraco. "Acho que não era o caso de ter feito o escândalo todo que foi feito", afirmou. 

Para Entender

Caso Marielle completa 1 ano e meio com pedido de federalização; relembre a investigação

Raquel Dodge pediu que apurações sejam conduzidas em âmbito federal. Duas pessoas estão presas pelo crime, mas as circunstâncias completas da execução ainda não são conhecidas

Para Mourão, a reação do presidente Bolsonaro foi proporcional à notícia vinculando seu nome às investigações sobre a morte de Marielle.

"Quando a pessoa é atingida de forma desleal, e sabe muito bem que não tem nada a ver com o processo, a pessoa se sente triste. Sente-se enraivecida", disse o vice-presidente. "Acho que o presidente reagiu com bastante calma até."

Mourão cobrou que a investigação seja feita "de forma correta" pela polícia do Rio de Janeiro. Segundo ele, o presidente tem autoridade para pedir que o porteiro seja ouvido por outras pessoas.

Para Entender

Bolsonaro atribui a Witzel vazamento que o vincula a caso Marielle; governador nega

Em live gravada durante a madrugada na Arábia Saudita, presidente classificou reportagem da TV Globo como 'patife' e 'canalha'

Mais cedo, Bolsonaro declarou que acionará o ministro da Justiça, Sérgio Moro, para que o porteiro do condomínio preste um novo depoimento à Polícia Federal.

"Esse inquérito está sendo conduzido lá pela polícia do Rio de Janeiro. A gente sabe que a polícia do Rio, parte dela, está envolvida nesse crime", disse Mourão. 

Ataque à imprensa

Em publicação no Twitter nesta quarta, Hamilton Mourão também atacou a imprensa, aproximando-se do tom de reação de Bolsonaro. "Enquanto o presidente Jair Bolsonaro consegue mercados e investimentos para o Brasil, aqui se perpetra um dos mais vis ataques à sua pessoa, vindo de quem nunca defendeu a verdade, a honestidade e o interesse nacional. Força presidente, sob sua liderança, o Brasil avança!", escreveu nas redes sociais. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.