Mortes de jornalistas farão parte de pesquisa sobre ditadura

Comissão que investiga episódios de violência contra profissionais da imprensa no regime militar prepara documento

LEONENCIO NOSSA, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2014 | 02h00

BRASÍLIA - A Comissão Nacional da Verdade dos Jornalistas - grupo criado pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) - deve apresentar, em dezembro, um relatório com nomes de 22 profissionais da área de comunicação mortos na época da ditadura militar (1964-1985).

Em encontro ontem em Brasília, representantes do grupo receberam da Comissão de Anistia, vinculada ao Ministério da Justiça, um estudo de casos de perseguições e torturas para ser incluído nas pesquisas.

Entre os mortos pelo regime militar que serão citados no relatório do grupo criado pela Fenaj está o paulista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, morto aos 22 anos, em 1971. A repressão divulgou, na época, que Luiz Merlino, repórter com passagem pela redação do antigo Jornal da Tarde, do Grupo Estado, tinha se suicidado.

Diferentemente da versão oficial, Merlino foi preso em Santos (SP) e levado para a sede do DOI-Codi, em São Paulo, chefiado pelo oficial do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra. Lá, o jornalista passou por sessões de tortura, pendurado pelas mãos e pelas pernas num "pau de arara" - uma barra de ferro utilizada para imobilizar o preso nos momentos de choques elétricos, socos e afogamentos. Em 2012, a Justiça condenou Ustra e outros três militares a pagarem indenização por danos morais à família de Merlino.

O jornalista alagoano Jayme Amorim de Miranda, 49 anos, assassinado em 1975, é outro nome na lista que será apresentada pela comissão. Miranda era membro do PCB e foi preso no Rio de Janeiro. O corpo dele não foi entregue à família. No livro A ditadura encurralada, o jornalista Elio Gaspari diz que o militante foi visto nas dependências do Dops, em São Paulo.

O presidente e o secretário-geral da Comissão Nacional da Verdade dos Jornalistas, Audálio Dantas e Sérgio Murillo de Andrade, disseram que o relatório reunirá informações obtidas por 18 sindicatos ligados à Fenaj. "A ideia é usar todos os dados num único documento para ser disponibilizado na internet e no formato de um livro", afirmou Andrade.

O secretário-geral explicou que o trabalho focará ainda casos de profissionais que sobreviveram à tortura e veículos de comunicação fechados ou censurados pelo regime, especialmente no interior do País. "A situação era difícil, com a censura e as perseguições, mas eu me pergunto o motivo de não ter sido possível fazer alguma coisa", comentou Audálio Dantas.

As versões falsas de suicídios e acidentes repassadas pela ditadura acabavam sendo absorvidas. Ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, Dantas avalia que a morte em sessão de tortura do jornalista Vladimir Herzog, em outubro de 1975, em São Paulo, foi a "gota d'água" para uma "reação espontânea" do meio.

Contribuição. Em 2012, Audálio Dantas publicou a história do crime que mobilizou São Paulo e o País no livro As duas guerras de Vlado Herzog. Para ele, a divulgação do relatório sobre as mortes dos jornalistas contribuirá para o debate sobre liberdade de expressão num momento em que pequenos grupos de manifestantes pedem a volta dos militares ao poder.

"Esperamos que essas manifestações por conta do resultado das eleições presidenciais não sejam ovos da serpente."

Tudo o que sabemos sobre:
Comissão da Verdadeditadura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.