Morte e ocupação de favelas pelo crime dominam debate

Eduardo Paes (PMDB) e Gabeira (PV) falam de como querem combater restrições do tráfico em comunidades

Luciana Nunes Leal e Wilson Tosta, RIO, O Estadao de S.Paulo

22 de outubro de 2008 | 00h00

A ocupação de comunidades pobres por traficantes ou milícias, tema que dominou o início da campanha carioca, voltou à discussão ontem, depois do assassinato do vereador Alberto Salles, do PSC. Os candidatos à prefeitura Fernando Gabeira, do PV, e Eduardo Paes, do PMDB, pregaram parcerias com os governos estadual e federal para combater a violência e as regras impostas pelo crime organizado nas favelas da cidade. No sexto debate do segundo turno, no jornal O Dia, Paes propôs ações conjuntas para levar educação, saúde e oportunidade aos jovens pobres. "A ausência do poder público faz com que o poder paralelo se apresente e se aproveite da miséria para se expandir nessas áreas." Gabeira propôs a união em torno de um "projeto de libertação da cidade", que gradativamente acabe com ações impostas pelo crime, como toque de recolher e obrigatoriedade de consumo em determinados estabelecimentos das comunidades. "O que diferencia o Rio de outras cidades onde há tráfico é a ocupação armada, que ameaça nossa soberania. O prefeito tem direito de colocar o pé em qualquer metro quadrado público da cidade e eu quero fazer isso."Paes e Gabeira disseram-se impressionados com a morte do vereador. No primeiro turno, Salles disse ter recebido ameaças de traficantes quando tentava fazer campanha na Favela Mundial. Ao contrário dos debates na televisão, o confronto de ontem foi "suave", segundo expressão usada por ambos.CRISE E PRECONCEITO Outros temas discutidos foram as acusações mútuas de preconceito e a crise mundial. Eles disseram que a cidade será afetada. O candidato do PV citou dificuldades futuras na construção civil, mas disse que o governo municipal buscará oportunidades. Embora admita problemas, Paes afirmou que a crise não vai afetar compromissos assumidos com os servidores municipais nem investimentos em saúde e educação.Questionados pelo carnavalesco Milton Cunha, os dois candidatos, por motivos diferentes, mostraram preocupação em não parecerem preconceituosos. Gabeira foi cobrado por declarações sobre suburbanos, depois de flagrado ao telefone dizendo que a vereadora Lucinha, do PSDB, tinha "visão suburbana" e era "analfabeta política". Paes reiterou ser contra projeto de lei de Gabeira que legaliza a profissão de prostituta, mas frisou ser essa apenas uma posição pessoal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.