Morte de Thatcher ganha tratamento frio do Planalto

Ao contrário do ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez, a morte da ex-primeira ministra britânica Margaret Thatcher ganhou tratamento frio do Palácio do Planalto. Por meio de um assessor, a Secretaria de Imprensa da Presidência da República limitou-se a dizer que a presidente Dilma Rousseff "lamentou" a morte de Thatcher - não foi divulgada nota nem do Planalto nem do Itamaraty. O Itamaraty deve comunicar a declaração da presidente à chancelaria britânica, por meio da Embaixada do Brasil em Londres.

RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

08 Abril 2013 | 20h50

Ao contrário de Chávez, Thatcher não cumpria mandato quando morreu - a presidente Dilma Rousseff, no entanto, já divulgou nota de pesar para pessoas que não cumpriam mais mandatos, como o ex-ministro da Justiça Fernando Lyra.

Ao exaltar o que considerava legado de Chávez, Dilma no mês passado disse que "as transformações econômicas, sociais e políticas que Chávez conduziu, nos últimos 14 anos, na Venezuela, fizeram desse grande líder a mais importante referência da história daquele país e o projetaram em toda a América Latina e Caribe".

Em janeiro de 2012, ao discursar no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, Dilma disse que "o mundo do pós-neoliberalismo não pode ser o mundo de pós-democracia". No mesmo fórum, em encontro fechado, a presidente teria dito que o "povo brasileiro está vacinado contra o neoliberalismo".

Mais conteúdo sobre:
Planalto Thatcher

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.