Morte de padre ainda é mistério

O Instituto Médico Legal de Brasília ainda não sabe a real causa da morte do padre nicaraguense Wilian Gonzalez, de 34 anos, ocorrida na última quinta-feira, durante o vôo da Vasp procedente de São Luís para Brasília. O laudo preliminar, divulgado há pouco pelo diretor do IML, Paulo de Tarso Diniz, descarta a hipótese de o padre ter sido vítima de enforcamento dentro do avião. Segundo Diniz, a definição da causa mortis de Gonzalez só sairá daqui a vinte dias com a realização de exames toxicológicos e de histopatologia (análise das vísceras). No laudo preliminar, os legistas do IML encontraram lesões na perna e no braço direitos do padre, o que pode comprovar que ele tenha sido de fato amarrado com um cinto do avião durante o vôo. O caso está sendo investigado pela Polícia Federal e um outro inquérito deverá ser aberto pela 10ª Delegacia Civil de Brasília. Antes de morrer, o padre, que estaria com estado emocional bastante alterado, teria tentado invadir a cabine de comando do avião e, depois , tentado abrir a porta do avião mas foi contido pela tripulação. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) não se pronunciou sobre o caso, alegando não conhecer o padre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.