Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Morte de Agnelli tira Lula dos destaques da imprensa européia

A morte do empresário italiano Giovanni Agnelli, da Fiat, afastou da primeira página dos jornais europeus os encontros de Davos e Porto Alegre e, conseqüentemente, roubou a condição de "vedete" que havia se transformado o presidente brasileiro, Luís Inácio da Silva, que participa das duas reuniões contra e pró a globalização. Todo o espaço dos jornais italianos praticamente foi ocupado pela morte do "L´Avvocato", o homem que dirigiu a Fiat durante trinta anos. Esse foi o caso, por exemplo, do Corriere della Sera, de Milão, que dedicou mais de 20 páginas ao acontecimento, e do francês Le Figaro, levado a reduzir o espaço que pretendia oferecer a cobertura de Davos e Porto Alegre. Um reequilíbrio deverá ser operado a partir de amanhã, passado o impacto da morte de Agnelli, e Lula deverá voltar a ser "a grande estrela", afirmam certos analistas.O mesmo ocorreu com o La Republica, de Roma, que decicou 27 páginas "príncipe" Agnelli, o símbolo da indústria italiana. O jornal ainda reservou uma página interna para as reuniões econômicas e sociais, lembrando que em Davos "o mundo desafia a América sobre o terrorismo, isolando o ministro da justiça norte americano, John Ashcroft". Para esse jornal, " a incomunicabilidade é total em Davos. O diálogo da elite mundial este ano registra uma situação sem precedentes entre a América e Europa. Entre a América e o resto do mundo foi cavado um fosso, cuja distância é imensa sobre o Iraque, a guerra e o terrorismo". O La Republica fala de um clima anti-americano que se esparrama não só pela Europa, mas pela Ásia.. Finalmente, o jornal destaca declarações formuladas por Lula em Porto Alegre sobre a evolução política na Itália, hoje dirigida pelo empresário de direita, Silvio Berlusconi. O presidente brasileiro chamou atenção da oposição dizendo que " se o vencedor foi Berlusconi, a culpa é da esquerda italiana". O matutino espanhol El País acompanha a tendência dos demais jornais europeus, privilegiando o noticiário sobre a morte do dirigente histórico da Fiat italiana, limitando a um pequeno artigo de 40 linhas em três colunas a intervenção de Lula diante de 100 mil pessoas, ontem , em Porto Alegre. Para esse jornal, o presidente brasileiro aparece, cada vez mais como um líder carismático. O articulista constatou que havia no ar de Porto Alegre a impressão de que Lula anteciparia para as pessoas reunidas na cidade o que diria aos poderosos no forum de Davos, na Suíça.Os analistas das emissoras de televisão constatam que a globalização está sendo submetida a uma pausa, o que pode ser provado pela queda das trocas comerciais internacionais nesses dois últimos anos. Veja o especial sobre a Gianni AgnelliVeja o especial sobre os Fóruns de Davos e Porto Alegre

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.