Mortalidade aumenta em 48 municípios alagoanos

A mortalidade infantil cresceu em 48 dos 102 municípios alagoanos, de janeiro a setembro de 2003, em comparação com igual período de 2002. A maioria dos óbitos aconteceu nos municípios do sertão, onde a seca destruiu praticamente todas as lavouras depois de dois anos enfrentam a estiagem. As mortes foram provocadas por diarréia, desidratação e falta de assistência médica. As deficiências provocadas pela seca e pela fome deixaram mães e crianças debilitadas, suscetíveis à doenças infecto-contagiosas. Ao todo, de janeiro a setembro deste ano, foram registrados em Alagoas 1.119 óbitos de crianças de zero a um ano, 50 a menos que em 2002, quando foram registrados 1.169 óbitos infantis. Os dados foram confirmados hoje pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), com base no levantamento feito por agentes do Programa Saúde da Família (PSF). O município sertanejo de Santana do Ipanema, a 204 quilômetros de Maceió, registra, de janeiro a setembro deste ano, o maior número de óbitos, em comparação com igual período de 2002. Este ano, já morreram 34 crianças antes de completar um ano, 13 a mais que de janeiro a setembro de 2002, quando foram registrados 21 óbitos infantis. Outros 16 municípios sertanejos registram aumentos de óbitos acima de três, em comparação com igual período de 2002. São José da Tapera, por exemplo, passou de 16 para 19 óbitos. São Brás, de 4 para 7; Carneiros, de 1 para 9. Segundo o relatório da Sesau, a média de cobertura do PSF nesses 17 municípios, considerados os mais críticos, é de 81%, permitindo o acompanhamento de cerca de 2.200 famílias. Em outros 15 municípios do Sertão e Agreste a situação é preocupante, porque houve aumento menor no número de mortes ou a quantidade de óbitos de óbitos já é igual ao mesmo período de 2002. Cacimbinhas, a 175 quilômetros de Maceió, já apresenta o este ano o mesmo número de óbitos registrados de janeiro a setembro de 2002: cinco. Ibateguara (9/9); Junqueiro (14/14); e Canapí (22/22).

Agencia Estado,

17 Outubro 2003 | 18h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.