Morre o jornalista Roberto Marinho

O jornalista Roberto Marinho, presidente das Organizações Globo, morreu nesta quarta-feira à noite, aos 98 anos. Ele estava em casa, no Cosme Velho, pela manhã, quando sofreu um edema pulmonar, provocado por uma trombose. Roberto Marinho foi, então, internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Samaritano, em Botafogo. Seu estado de saúde permaneceu grave durante todo o dia e os médicos decidiram realizar uma cirurgia para retirar o coágulo que se instalara em um de seus pulmões. A operação começou às 21h30, mas Roberto Marinho não resistiu. Às 22h40, a apresentadora Ana Paula Padrão anunciou a morte do jornalista em um entrada extraordinária do Jornal da Globo.Roberto Marinho era casado com Lily Marinho, sua terceira mulher, etinha três filhos: Roberto Irineu, João Roberto e José RobertoMarinho.Com a morte de Roberto Marinho, foi-se o mito do jornalista e empresário que costumava falar do futuro com um surpreendente condicional. "Se algum dia eu vier a faltar", dizia ele em reuniões com os filhos e os executivos das Organizações Globo, repetindo uma frase que, embora de comprovada autenticidade, acabou caindo no folclore. Tanto a frase como a história das tartarugas, esta sim anedótica. Ao saber que as tartarugas que um amigo lhe oferecia tinham uns 30 anos e poderiam viver mais uns 50, desistiu de levá-las para casa, porque não queria aborrecimentos. "Eu me apego muito a esses bichinhos, vou sofrer quando eles morrerem", alegou o Doutor Roberto, agradecendo o presente. Leia mais sobre Roberto Marinho

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.