Morre o jornalista Getúlio Bittencourt

O jornalista Getúlio Bittencourt morreu ontem em São Paulo, aos 57 anos, em consequência de um câncer descoberto no fim de 2008, que atingiu cérebro e pulmões. Bittencourt, nascido em Governador Valadares (MG), trabalhou na revista Veja e nos jornais Folha de S. Paulo e Gazeta Mercantil - onde ficou a maior parte da carreira, tendo atuado como correspondente em Nova York.Em 1978, recebeu o Prêmio Esso, com Haroldo Cerqueira Lima, por uma entrevista feita com o general João Baptista Figueiredo, então candidato do regime à sucessão do presidente Ernesto Geisel. A entrevista foi publicada pela Folha, com o título Exclusivo: Fala Figueiredo.Bittencourt dirigiu o diário DCI nos últimos anos e recentemente assumira parte da edição brasileira da Harvard Business Review. Também passou pelo governo, em 1987 e 1988, como secretário de Comunicações do então presidente José Sarney.Pai de seis filhos, em três casamentos, o último com a jornalista Ana Cristina Magalhães, Bittencourt ficou conhecido ainda pelo interesse por astrologia. Começou estudando por curiosidade e formou um banco de dados com mais de 14 mil mapas astrais. Entre eles, preparou a pedido cartas de figuras como o presidente eleito Tancredo Neves. Algumas histórias estão no livro À Luz do Céu Profundo - Astrologia e Política no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.