Facebook/@luiz.makloufcarvalho/Reprodução
Facebook/@luiz.makloufcarvalho/Reprodução

Morre o jornalista e escritor Luiz Maklouf Carvalho

Repórter do Estadão era autor de reportagens e livros históricos sobre os principais personagens da República

Paula Reverbel e Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2020 | 11h03

O jornalista e escritor Luiz Maklouf Carvalho morreu neste sábado, 16, aos 67 anos. Repórter de O Estado de S. Paulo, Mak, como era conhecido entre os colegas, foi autor de livros e reportagens que marcaram o jornalismo brasileiro retratando alguns dos mais importantes personagens da República, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao atual ocupante do Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro. Ele era repórter do Estadão desde 2016.

Dono de um texto escorreito e reconhecido pelos colegas por sua apuração exata, Maklouf nasceu em 1953, em Belém (PA). Formou-se em Direito pela Universidade Federal do Pará. Foi ali que, como revisor de O Liberal,  iniciou a carreira que o levaria a amealhar quase todos os prêmios possíveis que um jornalista pode ganhar neste País.  Em seu estado natal, Maklouf foi repórter dos diários A Província do Pará e o Estado do Pará, onde ganhou seu primeiro grande prêmio, o Esso, de reportagem. Editou ainda o jornal Resistência, da Sociedade Paraense dos Direitos Humanos, obtendo o primeiro de seus quatro prêmios Vladimir Herzog.

Era correspondente do jornal Movimento, da chamada imprensa alternativa, de São Paulo, começando aí sua relação com as redações da grande imprensa paulista. Ele as conheceu quase todas. A partir de 1983, mudou-se para a cidade que o acolheria e testemunharia a sequência de sua carreira e o nascimento do escritor de livros reportagens que o levariam a dois prêmios Jabuti: em 1998, com o Mulheres que foram à Luta Armada (1998), a primeira obra a contar a experiência das militantes que pegaram em armas contra a ditadura, entre as quais a ex-presidente Dilma Rousseff; e, em 2005, com Já vi esse filme - reportagens (e polêmicas) sobre Lula e/ou PT , que reuniu textos que mostravam o percurso do partido que então dominava o Poder Executivo do País.  

Maklouf também é autor de Contido a bala – A vida e a morte do advogado Paulo Fonteles, advogado de posseiros no sul do Pará, (Cejup, 1994), livro que foi sua estreia como escritor. Nos anos seguintes, seu interesse pelos conflitos na região o levaria a escrever O Coronel Rompe o Silêncio, com o depoimento inédito do coronel Lício Augusto Ribeiro, um veterano do combate à Guerrilha do Araguaia. Também foi autor de Cobras Criadas, a biografia de David Nasser, o mais famoso e polêmico repórter dos anos 1950, cuja trajetória se confunde com o da revista O Cruzeiro, do grupo dos Diários Associados. Tinha fascinação por grandes personagens e suas histórias e foi assim que sua trajetória fez dele coautor do livro Vultos da República.

Quando trabalhava, no Jornal da Tarde, do Grupo Estado, na década de 1990, Maklouf revelou o primeiro escândalo de corrupção do PT, o chamado “caso CPEM”, em referência a uma empresa de consultoria com esse nome. A reportagem ouviu a acusação do então dirigente petista Paulo de Tarso Venceslau, contra a empresa e o advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula, então presidente de honra do PT. A CPEM havia sido contratada sem licitação por prefeituras petistas para prestar assessoria no setor de arrecadação de impostos. Em contrapartida, a consultoria daria dinheiro para campanhas do partido.

Depois, o ex-dirigente também questionou o fato de Lula morar em imóvel de Teixeira de graça, durante oito anos. "Após sua reportagem, me aproximei do Maklouf. Tínhamos algumas coisas em comum. A reportagem teve uma repercussão enorme", afirmou Venceslau. Ainda nos anos 1990 e 2000, Maklouf passou pelas redações dos jornais Folha de S. Paulo e Jornal do Brasil e das revistas Época e Piauí. Até retornar ao Grupo Estado, como repórter do Estadão. Foi então que iniciou, pouco antes do impeachment de Dilma Rousseff, a publicar uma série de textos, traçando o perfil dos novos protagonistas da política nacional.

Durante a campanha eleitoral de 2018, Maklouf encontrou um tesouro que soube ler e escutar: a cópia do processo e os áudios do julgamento do então capitão Jair Messias Bolsonaro, que levaram à sua absolvição pelo Superior Tribunal Militar (STM) depois de ele ter sido condenado por 3 a 0 por um Conselho de Justificação do Exército, um tribunal de honra militar que concluíra que o então oficial mentira e faltara com o pundonor na investigação sobre um plano para colocar bombas em quartéis. 

Maklouf descobriria que Bolsonaro foi eleito presidente sem que o País conhecesse as circunstâncias sobre o mais grave episódio que marcou sua carreira militar e antecedeu sua entrada para a política. O plano terrorista era um protesto contra os baixos soldos em 1987. De seu trabalho como repórter nasceria seu último livro: O cadete e o capitão: A vida de Jair Bolsonaro no quartel, publicado em 2019. Ele falou ao programa Estadão Notícias em agosto passado sobre a obra. Confira:

O escritor já lutava então contra a doença que provocaria sua morte: um câncer no pulmão. Em relato que ele escreveu para o jornal em 2018, Maklouf explicou que se tratava de um tipo de câncer que afeta quem já foi fumante. “Não faz nenhuma diferença se você parou de fumar pra lá de 15 anos, como no caso”, explicou. Ele chegara a fumar três maços por dia e foi tratado com imuno-quimioterapia. Nos últimos dias, estava internado no A.C.Camargo Cancer Center, na Liberdade, em São Paulo.

Maklouf deixa mulher, Elza, com quem veio para São Paulo em 1983, três filhos, Luiza, Felipe e André, e três netos, Malu, Liz e Vicente. "Um amante do Machado. Me apresentou tudo o que eu aprecio culturalmente falando, Guimarães, Flaubert, Chico, Caetano, Belchior, Beatles, Bethânia, Velha Guarda da Portela, Miles Davis, Fernando Pessoa... Como eu amo a lembrança dele recitando Álvaro de Campos, Poema em Linha Reta, em um dos nossos tantos memoráveis almoços de domingo da infância e adolescência", escreveu a filha. O velório será neste sábado, no cemitério de Vila Mariana; e o enterro, nesta tarde.

Repercussão

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, lembrou de uma entrevista que fez com Maklouf. "Uma perda lastimável para o jornalismo brasileiro e os leitores do jornal O Estado de S. Paulo. Estive com Maklouf recentemente, em dezembro do ano passado, ocasião em que fui entrevistado por ele. Sempre cordial, era sábio com as palavras e primoroso com a escrita. Certamente deixa um legado do bom jornalismo para a atual e futura gerações de repórteres. Aos familiares e colegas de profissão, o meu respeito e solidariedade."

O jornalismo perdeu hoje um de seus maiores repórteres investigativos, disse o governador de São Paulo João Doria. "Escritor e jornalista premiado, Maklouf esmiuçava histórias e personagens. Tinha o idealismo como norte e o pragmatismo como atitude. Nossos sentimentos para toda a família."

O Movimento Democrático Brasileiro (MDB) destacou o livro 1988: Segredos da Constituinte e prestou sua homenagem à família do jornalista. "Lamentamos a morte do jornalista e escritor Luiz Maklouf Carvalho. Sempre atuou de forma imparcial e crítica, indistintamente. Nos jornais 'Resistência' e 'Movimento', foi radical defensor da democracia. Uma de suas últimas obras é o livro abaixo. Nossas condolências à família."

De Maklouf disse hoje o deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), um dos políticos que o repórter perfilou para o Estadão. "O Brasil acaba de perder um grande brasileiro e um dos maiores jornalistas do País. Luiz Maklouf perdeu a guerra para o câncer de pulmão. Certo dia, após ser anunciado como relator da Reforma da Previdência, recebi uma ligação pedindo uma entrevista especial para o jornal Estadão. Marquei de receber o jornalista no hotel que eu morava aqui em Brasília. Foi a melhor entrevista que já concedi na minha vida."

"Morreu hoje um dos melhores jornalistas da minha geração", falou o jornalista Laurentino Gomes sobre Luiz Maklouf. "Tive o privilégio de trabalhar com ele no ⁦Estadao e no Jornal da Tarde. Paraense de Belém, fazia o melhor pato no tucupi do mundo. Mais um perda neste trágico 2020."

O jornalista David Cohen lembrou da convivência com Maklouf no Jornal da Tarde e na revista Época e da dedição ao trabalho. "Seu enorme talento, na minha opinião, vinha diretamente de seu caráter reto, de sua necessidade de entender as coisas em sua inteireza. E da prática de um jornalismo que é sacerdócio, que não se incomoda em incomodar, mas não toma partido, que busca honestamente compreender e explicitar o que retrata, que segue os rituais não apenas em sua forma, mas em sua essência", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.