Morre o ex-chanceler Ramiro Saraiva Guerreiro, aos 92 anos

Embaixador comandou o Itamaraty durante último governo do regime militar, de João Figueiredo

Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo

19 de janeiro de 2011 | 20h19

BRASÍLIA - Aos 92 anos, morreu nesta quarta-feira, 19, no Rio de Janeiro, o ex-chanceler Ramiro Saraiva Guerreiro, que comandou o Itamaraty durante o último governo do regime militar, sob o general-presidente João Figueiredo, entre 1979 e 1985.

 

Depois de uma longa carreira, que incluiu missões em Washington, Paris e nas Nações Unidas, em Nova York, Guerreiro tornou-se, nos anos 70 e 80, um dos pais do "pragmatismo responsável" - uma versão, naquela época, da prioridade às relações Sul-Sul adotadas na era Lula.

 

Em nota oficial do Planalto, distribuída no final da tarde, a presidente Dilma Rousseff afirma que "o embaixador Guerreiro foi exemplar defensor da diplomacia multilateral, das relações com os países do sul e dos fundamentos da política externa independente do Brasil". A presidente disse, ainda, ter recebido "com pesar" a notícia.

 

Em outra nota, dirigida pelo Itamaraty à embaixatriz Maria da Gloria Guerreiro, o ministro Antonio Patriota ressalta que o ex-chanceler "chefiou o Ministério das Relações Exteriores em momento de intensa transformação do Brasil e de importantes desafios para nossa política externa". Ele deixa dois filhos, Rosa e Antoine.

 

Dívida externa. Formado em Direito pela Universidade do Brasil, ainda no Rio de Janeiro, Guerreiro se destacou, no final de sua atividade diplomática, já no governo Sarney, como negociador da dívida externa, num período em que o País já estava em moratória. Sua posição, nessa tarefa, era que o Brasil se adequasse às normas sugeridas pelo Fundo Monetário Internacional - o que acabou prevalecendo.

 

Nos cinco anos à frente do Itamaraty, Saraiva Guerreiro teve de lidar com os conflitos entre a vizinha Argentina e a Grã-Bretanha na Guerra das Malvinas. Fez também uma histórica viagem de contatos a Angola e Moçambique, em 1980, quando os dois países tinham acabado de se libertar do domínio português.

Tudo o que sabemos sobre:
Ramiro SaraivamorteItamaray

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.