Morre Maria do Carmo de Abreu Sodré

Viúva de Abreu Sodré foi sepultada na tarde desta segunda, com a presença de Fernando Henrique Cardoso, Dráusio Varela e Arnaldo Jabor

AE, Agência Estado

23 de janeiro de 2012 | 21h33

O gosto pela política, pelos debates, pela música erudita e por boas histórias foi uma das marcas, a vida inteira, da ex-primeira-dama Maria do Carmo Mellão de Abreu Sodré. Ao morrer nesta segunda-feira, 23, aos 88 anos, a viúva do governador Abreu Sodré deixou, nas palavras de sua filha Maria do Carmo, a imagem de "uma pessoa ativa, interessada, culta e que, acima de tudo, gostava de se sentir útil".

 

Um exemplo disso, lembra a filha, foi o entusiasmo com que ela mergulhou, nos anos 80, na campanha das Diretas Já. "Ela batalhou bastante, não em público, mas em reuniões com amigos, em clubes, com a família, onde quer que estivesse", acrescenta Maria do Carmo.


 

Sua morte "não foi uma surpresa", diz Maria do Carmo. Com a saúde abalada nos últimos tempos, principalmente pela diabetes, a ex-primeira-dama não sobreviveu a uma insuficiência respiratória. Velada no Funeral Home, ela foi sepultada nesta segunda à tarde no cemitério da Consolação - e entre as figuras que a acompanharam estavam o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o médico Dráusio Varela e Arnaldo Jabor, cineasta e colunista do jornal O Estado de S. Paulo. Além de Maria do Carmo ela deixa outra filha, Ana Maria, e sete netos.

Tudo o que sabemos sobre:
Maria do Carmo de Abreu Sodrémorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.