Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Morre aos 76 anos Marco Aurélio Garcia, ex-presidente e fundador do PT

Garcia foi assessor especial da Presidência de Dilma e Lula; velório será realizado a partir das 8h da sexta-feira, 21, na Alesp

Pedro Venceslau e André Ítalo Rocha, O Estado de S.Paulo

20 Julho 2017 | 15h44

Ex-assessor especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais de Lula e Dilma, Marco Aurélio Garcia morreu nesta quinta-feira, 20, aos 76 anos, de um ataque fulminante. Fundador do PT e ex-presidente da sigla, ele foi um dos principais formuladores da política externa durante a gestão Dilma Rousseff. Garcia era professor aposentado do Departamento de História das Universidade de Campinas (Unicamp).

O velório será realizado na sexta-feira, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), a partir das 8h. Um dos fundadores do PT e ex-assessor especial para assuntos internacionais nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Garcia morreu hoje em São Paulo, em sua casa, vítima de um ataque cardíaco, aos 76 anos.

Após o velório, que será aberto ao público, o corpo de Garcia será cremado, mas a família ainda não decidiu se a cremação será feita amanhã também ou no sábado. Gaúcho de Porto Alegre, onde se formou em Direito e Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Garcia era professor aposentado da Unicamp e vinha exercendo a função de conselheiro da Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT.

Homenagens. O dirigente do PT Valter Pomar foi um dos primeiros a homenagear Garcia nas redes sociais. Lembrou que ele foi exilado na França e no Chile durante a ditadura militar, foi vereador em Porto Alegre pelo PCB e militante do movimento estudantil. "Divertido, culto, ateu irredutível, alguém que não tinha vergonha de ser gauche na vida. Fará muita falta", escreveu Pomar.

O ex-presidente do PT Rui Falcão também lamentou a morte do amigo. "Mais uma notícia terrível companheiros: Marco Aurélio Garcia faleceu. Não consigo imaginar nenhuma palavra para consolá-los."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.