Morre em Sorocaba adolescente que esperava transplante

Apesar da rápida mobilização de equipes médicas de Sorocaba, interior de São Paulo, e de Florianópolis (SC), a estudante Jussara Adorno, de 16 anos, não conseguiu receber o transplante de fígado que poderia salvar sua vida. Ela estava internada havia uma semana no hospital Unimed, em Sorocaba, depois de ter sido acometida de uma hepatite grave, e precisava do transplante para sobreviver. O órgão foi obtido na tarde de domingo, na capital catarinense, com o falecimento de uma mulher de 51 anos. O fígado era compatível com a paciente e a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião em tempo recorde para o transporte emergencial. O órgão chegou a tempo, mas não pôde ser implantado na adolescente porque a equipe médica detectou nele um tumor cancerígeno, que não havia sido diagnosticado anteriormente. O drama da estudante começou no início da semana passada, quando ela apresentou sintomas de hepatite. Os médicos informaram que a doença era do tipo galopante e a única saída seria o transplante. A garota foi inscrita como caso prioritário no Sistema Nacional de Transplantes, vinculado ao Ministério da Saúde. No meio da semana, surgiu um jovem doador em São Paulo, mas o fígado não era compatível com o tipo sanguíneo da jovem. O pai da adolescente, Juvenal Adorno, fez um apelo para que as pessoas continuem a doar órgãos. "Minha filha se foi, mas outras pessoas podem ser salvas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.