Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Morre em Portugal embaixador Reinaldo Storani, aos 65 anos

Diplomata faleceu na cidade de Faro, onde era cônsul-geral desde 2018; diplomata serviu em três continentes

O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2021 | 19h42

O embaixador Reinaldo Azambuja Storani morreu anteontem, aos 65 anos, na cidade de Faro, em Portugal, depois de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e um enfarte.

Storani se tornou diplomata em 1981. Serviu nos Estados Unidos, Paraguai, Irã, Itália e Bélgica. Os últimos cargos que ocupou foram os de chefe do Escritório Financeiro do Itamaraty em Nova York, de 2015 a 2018, e de cônsul-geral em Faro, desde dezembro de 2018.

Natural de Jundiaí (SP), Storani, além do ofício diplomático, era conhecido por ser um divulgador da cultura brasileira no mundo. 

“Era uma incentivador do relacionamento de artistas locais com os nossos, participando de todos os eventos que pudessem enaltecer o Brasil”, disse o presidente da Academia Paulista de Letras, José Renato Nalini, amigo da família. “Sua tese de doutorado sobre Orçamento e Direito Financeiro foi considerada pioneira no trato das questões econômicas numa era transnacional.” 

O Ministério das Relações Exteriores lamentou a morte do embaixador.

“Durante 40 anos, Reinaldo Storani serviu o País com competência e dedicação ímpares. No Brasil, notabilizou-se pela excelência do trabalho desempenhado na administração, onde exerceu altas chefias”, afirmou o Itamaraty, em nota oficial. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.