Morre em Minas o ex-ministro José Aparecido

Ele foi titular da Cultura e embaixador em Portugal no governo Sarney

Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

20 Outubro 2007 | 00h00

O ex-ministro, ex-governador e ex-embaixador José Aparecido de Oliveira morreu ontem à noite, vítima de insuficiência respiratória, na unidade de terapia intensiva do Hospital Madre Teresa, em Belo Horizonte. Ele havia sido internado no dia 1º de outubro. O corpo de Aparecido, que seria velado no Palácio da Liberdade, sede do governo mineiro, vai ser sepultado hoje à tarde em sua cidade natal, Conceição do Mato Dentro, a 154 km de Belo Horizonte. Aparecido tinha 78 anos. Era formado em Jornalismo, mas nunca exerceu a profissão, a não ser escrevendo artigos esparsos. Na primeira fase de sua vida política ele pertenceu à UDN, partido que foi arqui-rival do PSD, notadamente em Minas. Começou sua carreira política como secretário particular do ex-presidente Jânio Quadros. Na eleição de 1962, elegeu-se deputado federal pela UDN. Ao longo da vida ficaria conhecido por sua boa conversa mineira e seu permanente bom humor. No processo de redemocratização, no início dos anos 80, Aparecido seria um dos principais parceiros do presidente Tancredo Neves, do qual tinha sido adversário na Minas dos anos 60 - ele na UDN e Tancredo no PSD. Em 1982, quando Tancredo se elegeu governador de Minas, Aparecido chegou à Câmara dos Deputados pelo PMDB. Sua proximidade com Tancredo fez com que fosse nomeado governador do Distrito Federal, entre 1985 e 1988. Foi ministro da Cultura no governo de José Sarney. O último cargo no governo foi o de embaixador do Brasil em Portugal. Nesta condição, Aparecido foi um dos principais promotores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, que reuniu Portugal, Brasil e os países lusófonos da África. O governador Aécio Neves (PSDB) decretou luto oficial no Estado e em nota oficial disse que "Minas se entristece" com a perda "de seu filho ilustre e grande brasileiro". "Companheiro leal de caminhada de Tancredo Neves, sonhou e construiu a redemocratização."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.