Morre advogada de presos da ditadura

A advogada Ronilda Maria Lima Noblat, conhecida por defender presos políticos na época do regime militar, foi enterrada ontem à tarde no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador. Ronilda, de 67 anos, morreu no domingo, vítima de insuficiência respiratória, no Hospital Aliança, onde estava internada havia 12 dias, para tratar de uma pneumonia. Ela se notabilizou em 1970, ao defender o então preso político Theodomiro Romeiro - hoje juiz do trabalho em Pernambuco. Romeiro foi o primeiro brasileiro a ser condenado à pena de morte na República.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.