Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Moro nega candidatura ao Senado: 'Sou pré-candidato à Presidência'

Ex-juiz da Lava Jato disse ser contra o foro privilegiado e que não tem receio de investigação do TCU

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2022 | 11h47

O pré-candidato à Presidência Sérgio Moro (Podemos) negou nesta segunda-feira, 3, que vá concorrer ao Senado caso não consiga subir nas pesquisas de intenção de voto até fevereiro. 

A manifestação do ex-juiz e ex-ministro é resposta a uma publicação do portal UOL desta segunda-feira, 3. De acordo com o texto, o entorno de Moro entende que ele precisa ter um mandato no ano que vem, “seja ele qual for”. A avaliação teria ganhado força com a investigação do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a rescisão de seu contrato com a consultoria americana Alvarez & Marsal. No mês passado, o ministro Bruno Dantas, do Tribunal, pediu acesso a todas as informações relacionadas à interrupção do contrato, incluindo os valores envolvidos.

Segundo a reportagem, interlocutores de Moro teriam afirmado que o ‘plano B’ do pré-candidato seria disputar uma cadeira no Senado se terminasse fevereiro sem chegar a pelo menos 15% das intenções nas pesquisas. 

Em nota, Moro afirmou ser contra o foro privilegiado e disse não precisar de mandato. “Não tenho receio de qualquer investigação, muito menos a de Ministro do TCU sobre fato inexistente”, escreveu o ex-juiz no Twitter. 

O presidenciável foi contratado pela consultoria após abandonar o posto de ministro da Justiça do governo Bolsonaro. A contratação levantou suspeitas de conflito de interesses porque a Alvarez & Marsal é responsável pelo processo de recuperação judicial da construtora Odebrecht, envolvida nas condenações feitas por Moro no âmbito da Operação Lava Jato. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.